Arquivos de Eleições 2018

Pesquisa divulgada nesta quinta-feira (13) pelo Vox Populi causou polêmica nas redes sociais e chegou a ser, momentaneamente, o assunto mais comentado do Twitter no Brasil. A divergência foi causada pela principal novidade do levantamento, que trouxe de maneira inédita o recém-lançado candidato do PT a presidente, Fernando Haddad, na liderança, com 22% das intenções de voto. Jair Bolsonaro (PSL), que lidera nas sondagens dos demais institutos, ficou na segunda colocação, com 18%.

Ricardo Stuckert/Divulgação


Haddad aparece liderando pesquisa de intenção de voto quando tem nome associado ao de Lula

Também suscitou debate a informação de que a pesquisa foi encomendada pela Central Única dos Trabalhadores (CUT), tradicional aliada do PT e integrante do movimento que defende a libertação do ex-presidente e seu direito de disputar a eleição. No Vox Populi, Ciro Gomes (PDT) aparece em terceiro lugar (10%), seguido de Marina Silva (Rede), com 5%, e Geraldo Alckmin (PSDB), com 4%.

Durante algumas horas, o Twitter foi invadido por tuítes que comemoravam ou refutavam o levantamento. Nas pesquisas realizadas pelos outros institutos, o entrevistado é questionado sobre em qual candidato vai votar. Na estimulada, os nomes são apresentados de forma individual. O Vox Populi usou metodologia diferente. O petista era identificado como “Fernando Haddad (PT), apoiado por Lula”. Os demais eram citados da maneira com que são conhecidos do eleitorado.
Leia mais

Líder nas pesquisas de intenção de voto, o candidato a presidente Jair Bolsonaro (PSL) não fará campanha de rua nem em vídeo no primeiro turno das eleições, segundo um de seus filhos, o deputado estadual Flávio Bolsonaro (PSL-RJ). Em entrevista à rádio 97,1 FM, do Rio, Flávio disse que a orientação dos médicos é que Bolsonaro evite falar para não agravar seu quadro clínico.

Reprodução/Arquivo pessoal


“Não tem como ir pra rua com a barriga aberta. É risco de infecção, é risco de arrebentar”, diz Flávio sobre situação do pai

O candidato está na UTI do Hospital Albert Einstein, em São Paulo, onde se recupera de uma cirurgia de emergência para desobstrução intestinal, causada pelo atentado do último dia 6 em Juiz de Fora (MG). Flávio admite que o pai dificilmente voltará às ruas caso avance para o segundo turno.

“Ele não está conseguindo nem falar direito, então não pode ir para a internet para fazer transmissão ao vivo. A orientação médica é que nem fale, porque quando fala acumula gases e pode ocasionar mais dor ainda”, disse Flávio. “Ao que tudo indica, no primeiro turno não vai ter mais condições médicas de ir para a rua de novo. Praticamente impossível. A cirurgia de reconstituição do intestino dele vai acontecer daqui a dois meses ou mais, não tem como ir pra rua com a barriga aberta. É risco de infecção, é risco de arrebentar. É totalmente contraindicado”, ressaltou.
Leia mais

Pesquisa Ibope divulgada na noite desta terça-feira (11) indica que cresceu a vantagem do candidato Jair Bolsonaro (PSL) sobre seus adversários na comparação com levantamento feito pelo instituto entre os dias 1º e 3.

Agência Câmara


Pesquisa Ibope é mais vantajosa para Bolsonaro do que a divulgada pelo Datafolha

Bolsonaro aparece com 26% (quatro pontos a mais), e Ciro Gomes (PDT), com 11%. O pedetista está em empate técnico com outros três candidatos: Marina Silva (Rede) e Geraldo Alckmin (PSDB), com 9%, e Fernando Haddad (PT), com 8%. Os números do Ibope são mais favoráveis para o presidenciável do PSL, que se recupera de ferimentos no abdômen após um atentado, em relação à pesquisa divulgada ontem pelo Datafolha.
Leia mais

O ex-deputado cassado Eduardo Cunha (MDB-RJ) perdeu a liberdade, mas não o poder. Pelo menos em seu partido. Preso desde outubro de 2016 em Curitiba, o ex-presidente da Câmara prepara da cadeia a sua sucessora em Brasília, a publicitária Danielle Dytz Cunha, sua filha mais velha. Estreante nas urnas, Danielle lidera a disputa pelos recursos públicos do fundo eleitoral entre os 19 candidatos a deputado federal pelo partido no Rio de Janeiro (veja lista de repasses ao final da reportagem).

Pedro Ladeira/Folhapress


Tal pai, tal filha: Danielle tem papel de protagonista no MDB fluminense quando o assunto é dinheiro

A filha de Cunha já recebeu R$ 2 milhões do diretório estadual do MDB, conforme registros parciais do Tribunal Superior Eleitoral (TSE). O valor é próximo do teto de R$ 2,5 milhões que um candidato à Câmara pode gastar neste ano. Além disso, ela ganhou R$ 7 mil de uma doadora identificada como Ângela Célia Souza Vilhena, que fez o repasse na condição de pessoa física – a legislação atual proíbe o financiamento empresarial de campanhas.
Leia mais

O candidato do PSL à Presidência, Jair Bolsonaro, lidera a disputa ao Planalto com 24% das intenções de voto, segundo pesquisa Datafolha divulgada nesta segunda-feira (10), a primeira realizada após o início da propaganda eleitoral e depois do ataque a faca sofrido pelo deputado.

Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil


O candidato Jair Bolsonaro segue líder nas intenções de voto e também na taxa de rejeição

Bolsonaro não teve crescimento em relação à última pesquisa Datafolha, divulgada em 22 de agosto, contrariando as expectativas de que a comoção após o ataque pudesse refletir nos resultados. O candidato apenas oscilou dentro da margem de erro de dois pontos percentuais para mais ou para menos. No levantamento anterior, teve 22% das intenções de voto.

O único candidato a apresentar crescimento real foi o ex-prefeito de São Paulo Fernando Haddad, com 9%, cinco pontos percentuais a mais em relação ao último levantamento, quando teve 4%.
Leia mais

A procuradora-geral da República, Raquel Dodge, deve pedir nesta terça-feira (4) ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE) que mande o PT devolver R$ 20 milhões do fundo eleitoral doados à candidatura do ex-presidente Lula. Até o momento, campanha gastou R$ 14,4 milhões com programas de rádio e TV. As informações são da coluna Painel, da Folha de S.Paulo.

Agência Brasil/EBC


No fim de julho, em entrevista coletiva, Raquel disse que cobraria o ressarcimento de recursos públicos usados nas campanhas de candidatos inelegíveis

A possibilidade de devolução dos recursos chegou a ser ventilada durante o julgamento que negou o registro ao petista, mas não chegou a ser apreciada pelos ministros. Preso desde abril, Lula foi barrado pelo TSE com base na Lei da Ficha Limpa por ter condenação em órgão colegiado (TRF-4) por corrupção e lavagem de dinheiro.
Leia mais

A direção do PT anunciou hoje (3) que pretende recorrer novamente ao Comitê de Direitos Humanos da Organização das Nações Unidas (ONU) para que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva consiga ser registrado como candidato à Presidência da República nas eleições de outubro.

Divulgação


O Comitê de Direitos Humanos da Organização das Nações Unidas já pediu que o governo brasileiro reconheça os direitos políticos de Lula

O PT prepara ainda dois recursos ao Supremo Tribunal Federal (STF), abordando questões eleitorais e criminais, para que não ocorra a necessidade de substituição do nome na chapa no prazo de dez dias, conforme definido pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE), que negou o pedido de candidatura na última sexta-feira (31).
Leia mais

O ministro Luís Felipe Salomão, do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), determinou que o PT suspensa a veiculação de propaganda no horário eleitoral que apresenta o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva como candidato à Presidência da República. Na decisão liminar (provisória) ele estipulou multa de R$ 500 mil em caso de descumprimento.

Sergio Amaral/STJ


“As transcrições do programa de rádio veiculado não parecem deixar margem a dúvidas, no sentido de que estão sendo descumpridas as deliberações do colegiado”, disse o ministro Luis Felipe Salomão em decisão

Na decisão, o ministro aceitou os argumentos do Partido Novo, de que a propaganda do PT descumpriu decisão do plenário do TSE, que proibiu o partido de apresentar Lula como candidato, uma vez que ele teve sua candidatura barrada pela Justiça Eleitoral.

“As transcrições do programa de rádio veiculado não parecem deixar margem a dúvidas, no sentido de que estão sendo descumpridas as deliberações do colegiado”, escreveu Salomão.
Leia mais

Por 6 votos a 1, o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) decidiu na noite dessa terça-feira (28) negar pedido feito pelo PT para que as emissoras de televisão façam a cobertura da campanha presidencial do partido.

Ricardo Stuckert


Para o PT, como candidato registrado no TSE, Lula tem direito de participar da cobertura jornalística das eleições, mesmo preso

O TSE julgou o recurso da coligação “O Povo Feliz de Novo”, composta pelo PT, PCdoB e Pros, que tem o ex-presidente Lula como candidato à presidência e o ex-prefeito de São Paulo Fernando Haddad como vice. Antes da decisão de ontem, o ministro Sergio Banhos tinha rejeitado o mesmo pedido de forma individual.
Leia mais

Terceiro presidenciável entrevistado do Jornal Nacional desta semana, o tucano Geraldo Alckmin teve de explicar, durante a primeira metade da sabatina, suas alianças, defesa e complacência com companheiros envolvidos em escândalos de corrupção.

Reprodução/Rede Globo


O candidato tucano à Presidência da República foi pressionado para explicar sua proximidade e a defesa que faz de aliados acusados de corrupção

Até os 15 minutos da entrevista – que durou 27 minutos, mesmo tempo que tiveram Ciro Gomes (PDT) e Jair Bolsonaro (PSL) -, o ex-governador de São Paulo foi instado a responder sobre suas alianças com os partidos do chamado “Centrão” – que reúne partidos com caciques envolvidos na Lava Jato -, por defender seu ex-secretário de Transportes, preso por suspeita de envolvimento em esquema nas obras do Rodoanel, e pela inércia do partido em relação a Aécio Neves, réu por corrupção no Supremo Tribunal Federal (STF) e Eduardo Azeredo, preso desde maio após condenação no mensalão tucano.

Questionado sobre Aécio e Azeredo, Alckmin afirmou que o partido “não passa a mão na cabeça de ninguém” e que Aécio ainda está sendo investigado, e não foi condenado. Já sobre Azeredo, tentou desviar afirmando que o tucano, atualmente preso, está “afastado da vida pública há 10 anos”. Pressionado, disse que Azeredo vai pedir seu próprio desligamento do partido.
Leia mais