Arquivos de Eleições

Pes­qui­sa Da­ta­fo­lha di­vul­ga­da nes­ta quinta-​feira (25) mos­tra que o pre­si­den­ciá­vel Fer­nan­do Had­dad (PT), que ten­ta se apro­xi­mar do nú­me­ro de vo­tos de­cla­ra­dos pa­ra Jair Bol­so­na­ro (PSL), con­se­guiu re­du­zir em seis pon­tos a di­fe­ren­ça que os se­pa­ram na cor­ri­da pre­si­den­ci­al, em re­la­ção à pes­qui­sa da se­ma­na pas­sa­da. Bol­so­na­ro ago­ra tem 56% das pre­fe­rên­ci­as, en­quan­to o pe­tis­ta al­can­çou 44%. No le­van­ta­men­to an­te­ri­or, di­vul­ga­do há uma se­ma­na, o pla­car era de 59% a 41%, ou se­ja, uma di­fe­ren­ça de 18 pon­tos per­cen­tu­ais en­tre os dois ago­ra é de 12 pon­tos.

Fa­mí­lia Bolsonaro/​Ricardo Stuc­kert


Bolsonaro já chegou a ter 18 pontos percentuais de vantagem sobre Haddad, na pesquisa Datafolha

Se­gun­do o Da­ta­fo­lha, Bol­so­na­ro tem ago­ra 48% dos vo­tos to­tais, quan­do são con­si­de­ra­dos os bran­cos, nu­los e in­de­ci­sos, en­quan­to Had­dad ob­te­ve 38%. Nes­se que­si­to, a pes­qui­sa an­te­ri­or, o can­di­da­to do PSL ti­nha 50% dos vá­li­dos, con­tra 35% do pe­tis­ta. O ins­ti­tu­to tam­bém me­diu a re­jei­ção dos can­di­da­tos com uma per­gun­ta de três al­ter­na­ti­vas (“E en­tre es­tes can­di­da­tos a pre­si­den­te, gos­ta­ria que vo­cê me dis­ses­se se vo­ta­ria com cer­te­za, tal­vez vo­tas­se ou não vo­ta­ria de jei­to ne­nhum em”:).
Leia mais

A Po­lí­cia Fe­de­ral (PF) ins­tau­rou inqué­ri­to pa­ra in­ves­ti­gar um ví­deo no You­Tu­be no qual um ho­mem que se iden­ti­fi­ca co­mo co­ro­nel Car­los Al­ves refere-​se à pre­si­den­te do Tri­bu­nal Su­pe­ri­or Elei­to­ral (TSE), mi­nis­tra Ro­sa We­ber, co­mo “sa­la­frá­ria e cor­rup­ta”, além de cri­ti­car e fa­zer ame­a­ças a ou­tros mi­nis­tros do Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral (STF).

Reprodução/​YouTube


Coronel chamou a ministra Rosa Weber de “salafrária e corrupta” em vídeo

A aber­tu­ra do inqué­ri­to foi con­fir­ma­da pe­lo mi­nis­tro da Se­gu­ran­ça Pú­bli­ca, Raul Jung­mann, nes­ta quarta-​feira (24). Além da in­ves­ti­ga­ção so­bre o co­ro­nel, fo­ram aber­tos mais três inqué­ri­tos pa­ra apu­rar ame­a­ças a Ro­sa We­ber.

“On­tem mes­mo de­ter­mi­nei ins­tau­ra­ção de inqué­ri­to pa­ra apu­rar es­sas agres­sões de que ela foi vi­ti­ma, sa­be­mos de quem se tra­ta e on­de se en­con­tra”, dis­se Jung­mann, após ce­rimô­nia pa­ra re­pas­se de re­cur­sos do go­ver­no ao Con­se­lho Na­ci­o­nal de Jus­ti­ça (CNJ).
Leia mais

O mi­nis­tro Sér­gio Ba­nhos, do Tri­bu­nal Su­pe­ri­or Elei­to­ral (TSE), re­jei­tou pe­di­do do pre­si­den­ciá­vel Fer­nan­do Had­dad (PT) pa­ra que a TV Glo­bo o en­tre­vis­tas­se, na pró­xi­ma sexta-​feira (26), no mes­mo ho­rá­rio do de­ba­te pre­si­den­ci­al re­cu­sa­do por Jair Bol­so­na­ro (PSL) m 18 de ou­tu­bro. A cam­pa­nha pe­tis­ta ale­ga­va que a de­ci­são da emis­so­ra de can­ce­lar o en­con­tro em ra­zão da de­sis­tên­cia de Bol­so­na­ro “não co­a­du­na com o in­te­res­se pú­bli­co e, prin­ci­pal­men­te, com a li­su­ra e ri­gi­dez do pro­ces­so elei­to­ral ver­da­dei­ra­men­te de­mo­crá­ti­co”.

Ri­car­do Stuc­kert


Haddad tem aproveitado a ausência de Bolsonaro em debates para chamá-lo de “fujão”

Na úl­ti­ma segunda-​feira (22), a Glo­bo de­ci­diu não trans­mi­tir qual­quer con­teú­do de Had­dad co­mo com­pen­sa­ção pe­lo fa­to de que Bol­so­na­ro de­sis­tiu de de­ba­ter – des­de que fo­ram ins­ti­tuí­dos dois tur­nos pa­ra a elei­ção no Exe­cu­ti­vo, é a pri­mei­ra vez que o país não te­rá de­ba­te en­tre pre­si­den­ciá­veis às vés­pe­ras da vo­ta­ção de­ci­si­va. “Na reu­nião de ela­bo­ra­ção das re­gras do even­to foi acer­ta­do com as as­ses­so­ri­as dos can­di­da­tos que, se Jair Bol­so­na­ro não pu­des­se com­pa­re­cer por ra­zões de saú­de, o de­ba­te não se­ria subs­ti­tuí­do por en­tre­vis­tas”, in­for­mou a emis­so­ra por meio de no­ta (ín­te­gra abai­xo).
Leia mais

No li­mi­te do pra­zo de cin­co di­as da­do pe­lo Tri­bu­nal Su­pe­ri­or Elei­to­ral (TSE), o can­di­da­to Jair Bol­so­na­ro (PSL) for­ma­li­zou nes­ta quarta-​feira (24) sua de­fe­sa con­tra a de­nún­cia em que o PT pe­de a cas­sa­ção da can­di­da­tu­ra de extrema-​direita por su­pos­to cri­me elei­to­ral. Se­gun­do os ad­vo­ga­dos do ex-​capitão do Exér­ci­to, a re­pre­sen­ta­ção pe­tis­ta não apre­sen­ta qual­quer pro­va e se pres­ta a “cri­ar fa­to po­lí­ti­co in­ve­rí­di­co e, a par­tir daí, pro­du­zir ce­leu­ma mi­diá­ti­ca”.

Fa­bio Ro­dri­gues Pozzebom/​Agência Bra­sil


Bolsonaro nega participação em esquema de envio de mensagens pagas por empresários

O de­pu­ta­do do PSL é acu­sa­do de ter si­do be­ne­fi­ci­a­do pe­la uti­li­za­ção de me­ca­nis­mo de en­vio de men­sa­gens em mas­sa via What­sApp du­ran­te a cam­pa­nha. Se­gun­do re­por­ta­gem da Fo­lha de S.Paulo, o sis­te­ma foi cus­te­a­do por em­pre­sas de apoi­a­do­res do pre­si­den­ciá­vel e ti­nha co­mo ob­je­ti­vo dis­se­mi­nar con­teú­do ofen­si­vo con­tra o ad­ver­sá­rio de Bol­so­na­ro na cor­ri­da pre­si­den­ci­al, Fer­nan­do Had­dad (PT) – o que, se­gun­do a acu­sa­ção, con­fi­gu­ra abu­so de po­der econô­mi­co e uso in­de­vi­do de pla­ta­for­mas de co­mu­ni­ca­ção. Além da cas­sa­ção de man­da­to ele­ti­vo, na hi­pó­te­se de elei­ção de Bol­so­na­ro, o PT pe­de ao TSE que o de­pu­ta­do se­ja con­si­de­ra­do ine­le­gí­vel pe­los pró­xi­mos oi­to anos.
Leia mais

Em de­ci­são unâ­ni­me, os mem­bros dos Con­se­lho Na­ci­o­nal do Mi­nis­té­rio Pú­bli­co (CNMP) re­sol­ve­ram abrir nes­ta terça-​feira (23) pro­ces­so de dis­ci­pli­nar con­tra a pro­cu­ra­do­ra de Jus­ti­ça de Mi­nas Ge­rais Ca­mi­la Fá­ti­ma Tei­xei­ra, que pe­diu pa­ra ge­ne­rais a ex­pul­são dos mi­nis­tros do Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral (STF) Gil­mar Men­des, Ri­car­do Lewan­dows­ki e Di­as Tof­fo­li, pre­si­den­te da Cor­te. Em tex­tos pu­bli­ca­dos na in­ter­net, Ca­mi­la che­ga a pe­dir in­ter­ven­ção mi­li­tar que “ex­plo­da o STF e o Con­gres­so de vez”.

Sér­gio Almeida/​CNMP


Além do processo disciplinar no Conselho, procuradora pode ser alvo de investigação criminal no Judiciário mineiro

A por­ta­ria foi ins­tau­ra­da du­ran­te a 17ª ses­são or­di­ná­ria do CNMP em 2018 pe­la Cor­re­ge­do­ria Na­ci­o­nal do Mi­nis­té­rio Pú­bli­co. A par­tir de ago­ra, o pro­ces­so ad­mi­nis­tra­ti­vo dis­ci­pli­nar (PAD) se­rá re­la­ta­do pe­lo con­se­lhei­ro Le­o­nar­do Ac­ci­oly. Em abril pas­sa­do, Ca­mi­la de Fá­ti­ma foi ao Twit­ter e se ma­ni­fes­tou “ofen­si­va­men­te”, se­gun­do o CNMP, con­tra os mi­nis­tros do STF e mem­bros do Con­gres­so. Nas pos­ta­gens, re­la­ta o Con­se­lho, ela in­ci­ta atos de co­a­ção e vi­o­lên­cia, in­clu­si­ve por meio de for­ça, con­tra as au­to­ri­da­des.
Leia mais

O Bra­sil te­ve a cri­a­ção de mais de 137 mil em­pre­gos for­mais no mês de se­tem­bro. A no­tí­cia po­si­ti­va não di­mi­nuiu a pre­o­cu­pa­ção com o ele­va­do de­sem­pre­go, que es­tá na ca­sa dos 13,1%. Du­ran­te a cam­pa­nha e nos pla­nos de go­ver­no, os can­di­da­tos à pre­si­dên­cia Jair Bol­so­na­ro (PSL) e Fer­nan­do Had­dad (PT) tra­ta­ram so­bre es­se as­sun­to que pre­o­cu­pa to­do o país. En­tre os as­sun­tos re­la­ci­o­na­dos às ques­tões tra­ba­lhis­tas, pau­tas co­mo o pri­mei­ro em­pre­go, di­rei­tos dos tra­ba­lha­do­res, em­pre­en­de­do­ris­mo e a re­for­ma tra­ba­lhis­ta opõem os ad­ver­sá­ri­os.

Agên­cia Bra­sil


“Um dia o trabalhador vai ter que decidir: menos direito e emprego ou todos os direitos e desemprego”, defende Bolsonaro. Para Haddad, é preciso anular a reforma trabalhista

Carteira verde e amarela

O can­di­da­to Jair Bol­so­na­ro pre­ten­de cri­ar uma no­va car­tei­ra de tra­ba­lho ver­de e ama­re­la, vo­lun­tá­ria, pa­ra no­vos tra­ba­lha­do­res. “As­sim, to­do jo­vem que in­gres­se no mer­ca­do de tra­ba­lho po­de­rá es­co­lher en­tre um vín­cu­lo em­pre­ga­tí­cio ba­se­a­do na car­tei­ra de tra­ba­lho tra­di­ci­o­nal (azul) – man­ten­do o or­de­na­men­to ju­rí­di­co atu­al –, ou uma car­tei­ra de tra­ba­lho ver­de e ama­re­la (on­de o con­tra­to in­di­vi­du­al pre­va­le­ce so­bre a CLT, man­ten­do to­dos os di­rei­tos cons­ti­tu­ci­o­nais)”. Con­fi­ra pla­no de go­ver­no
Leia mais

A cha­ma­da ban­ca­da da ba­la, gru­po de de­pu­ta­dos que de­fen­de a re­vo­ga­ção do Es­ta­tu­to do De­sar­ma­men­to e o en­du­re­ci­men­to da le­gis­la­ção pe­nal, quer am­pli­ar o po­der e a in­fluên­cia na Câ­ma­ra. Na es­tei­ra do fenô­me­no Jair Bol­so­na­ro (PSL), que ven­ceu o pri­mei­ro tur­no da cor­ri­da pre­si­den­ci­al e ele­geu cor­re­li­gi­o­ná­ri­os aos mon­tes pa­ra a Câ­ma­ra e o Se­na­do, a ideia é co­man­dar ao me­nos três das prin­ci­pais co­mis­sões, além da pró­pria pre­si­dên­cia da Ca­sa: a Co­mis­são de Cons­ti­tui­ção e Jus­ti­ça (CCJ), a Co­mis­são de Di­rei­tos Hu­ma­nos (CDH) e a Co­mis­são de Se­gu­ran­ça Pú­bli­ca (CSP). E, a de­pen­der das ne­go­ci­a­ções, ou­tras mais.

Câ­ma­ra dos De­pu­ta­dos


"Ligados diretamente à segurança pública, a gente está contabilizando 78 deputados", estima deputado

“A Co­mis­são de Re­la­ções Ex­te­ri­o­res, nor­mal­men­te, cai com a gen­te mes­mo. Mas es­sas três [CCJ, a mais im­por­tan­te, CDH e CSP] a gen­te pre­ci­sa pe­gar”, dis­se ao Con­gres­so em Fo­co o de­pu­ta­do Ca­pi­tão Au­gus­to (PR-​SP).

Ele mes­mo é pré-​candidato à pre­si­dên­cia da Câ­ma­ra. O par­la­men­tar pau­lis­ta fe­chou acor­do com o co­le­ga Al­ber­to Fra­ga (DEM-​DF), um dos prin­ci­pais mem­bros da ban­ca­da da ba­la, pa­ra her­dar a co­or­de­na­ção da Fren­te Par­la­men­tar da Se­gu­ran­ça Pú­bli­ca, gru­po que reú­ne 299 de­pu­ta­dos – nem to­dos pri­o­ri­ta­ri­a­men­te en­ga­ja­dos na de­fe­sa do se­tor, va­le fri­sar. Der­ro­ta­do na dis­pu­ta pe­lo go­ver­no do Dis­tri­to Fe­de­ral, Fra­ga dei­xa o co­man­do da agre­mi­a­ção a par­tir de 2 de fe­ve­rei­ro de 2019, quan­do to­mam pos­se os mem­bros do no­vo Con­gres­so.
Leia mais

Pe­la pri­mei­ra vez, des­de que fo­ram ins­ti­tuí­dos dois tur­nos pa­ra a elei­ção no Exe­cu­ti­vo, o país não te­rá de­ba­te en­tre pre­si­den­ciá­veis às vés­pe­ras da vo­ta­ção de­ci­si­va. De­pois da Re­cord e da Band, a Re­de Glo­bo can­ce­lou o de­ba­te pre­vis­to pa­ra a pró­xi­ma sexta-​feira (26) en­tre Jair Bol­so­na­ro (PSL) e Fer­nan­do Had­dad (PT). A emis­so­ra tam­bém des­car­tou o pe­di­do de Had­dad pa­ra que, na au­sên­cia do ad­ver­sá­rio, ele fos­se en­tre­vis­ta­do.

Reprodução/​Youtube e TV Apa­re­ci­da


Debate entre os dois presidenciáveis seria realizado na próxima sexta-feira 26

Em car­ta à Glo­bo, a cam­pa­nha de Bol­so­na­ro diz que o can­di­da­to “en­fren­ta li­mi­ta­ções em vir­tu­de da bol­sa de co­los­to­mia que car­re­ga”. Na se­ma­na pas­sa­da mé­di­cos que acom­pa­nham o can­di­da­to no Hos­pi­tal Al­bert Eins­tein in­for­ma­ram que, cli­ni­ca­men­te, ele es­ta­va li­be­ra­do pa­ra par­ti­ci­par de de­ba­tes. O can­di­da­to se re­cu­pe­ra de um aten­ta­do a fa­ca ocor­ri­do no dia 6 de se­tem­bro em Juiz de Fo­ra (MG). Bol­so­na­ro, po­rém, ha­via ad­mi­ti­do, di­as atrás, a pos­si­bi­li­da­de de não ir a qual­quer de­ba­te no se­gun­do tur­no por uma ques­tão es­tra­té­gi­ca.
Leia mais

Um ví­deo ob­ti­do pe­lo Con­gres­so em Fo­co mos­tra uma tro­pa de po­li­ci­ais mi­li­ta­res de Goiás fa­zen­do cam­pa­nha, em via pú­bli­ca, em fa­vor do can­di­da­to a pre­si­den­te Jair Bol­so­na­ro (PSL), ca­pi­tão da re­ser­va do Exér­ci­to. Os mi­li­ta­res da ati­va são proi­bi­dos por lei de se en­vol­ver em ati­vi­da­des político-​partidárias. Du­ran­te uma cor­ri­da, em uma rua vi­ci­nal pa­ra­le­la à Ave­ni­da Al­fre­do Nas­ser, na ci­da­de de Lu­zi­â­nia, a 60 quilô­me­tros de Bra­sí­lia, os po­li­ci­ais con­cla­mam os elei­to­res a vo­tar em Bol­so­na­ro em se­gun­do tur­no, no pró­xi­mo do­min­go (28) (ve­ja o ví­deo mais abai­xo).

Reprodução/​Congresso em Fo­co


A manifestação dos PMs ocorrem uma rua vicinal à Avenida Alfredo Nasser, na cidade goiana de Luziânia

“Ei, ci­da­dão, por fa­vor, não se es­que­ça, dia 28 é Bol­so­na­ro na ca­be­ça. Ei, ci­da­dão, por fa­vor, fi­ca con­ten­te, ano que vem é Bol­so­na­ro pre­si­den­te”, can­tam. O ato se dá a cer­ca de 500 me­tros do 10º Ba­ta­lhão da Po­lí­cia Mi­li­tar. Cer­ca de 50 po­li­ci­ais apa­re­cem sem ca­mi­sa, mas com cal­ça e bo­tas da cor­po­ra­ção. Al­guns de­les usam ar­mas. Ao fun­do, ouve-​se a si­re­ne de uma vi­a­tu­ra po­li­ci­al. A re­por­ta­gem não con­se­guiu con­fir­mar a da­ta da ma­ni­fes­ta­ção, mas, a jul­gar pe­lo con­teú­do, ela ocor­reu após o pri­mei­ro tur­no.
Leia mais

A pre­si­den­te do Tri­bu­nal Su­pe­ri­or Elei­to­ral (TSE), mi­nis­tra Ro­sa We­ber, fez um pro­nun­ci­a­men­to nes­te do­min­go (21), em de­fe­sa de juí­zes, ser­vi­do­res e me­sá­ri­os que tra­ba­lham no pro­ces­so elei­to­ral. Ro­sa re­pu­di­ou as acu­sa­ções de frau­des no pro­ces­so elei­to­ral.

Ro­ber­to Jayme/​TSE


A presidente do TSE (Tribunal Superior Eleitoral), ministra Rosa Weber, repudiou as críticas ao processo eleitoral

Ro­sa de­fen­deu o com­ba­te às no­tí­ci­as fal­sas e fa­lou so­bre o pa­pel da Jus­ti­ça Elei­to­ral, de fa­zer fren­te aos bo­a­tos com in­for­ma­ção res­pon­sá­vel e ob­je­ti­va e de for­ma trans­pa­ren­te, e aler­tou que o TSE de­ve res­pei­tar o tem­po do de­vi­do pro­ces­so le­gal. Em res­pos­ta a um jor­na­lis­ta que per­gun­tou so­bre os avan­ços da Cor­te Elei­to­ral no com­ba­te às fa­ke news, a mi­nis­tra pe­diu que a in­for­mas­sem, ca­so al­guém co­nhe­ces­se al­gu­ma for­ma de coi­bir a cir­cu­la­ção das in­for­ma­ções fal­sas, e dis­se: “Ain­da não des­co­bri­mos mi­la­gre”.

A pre­si­den­te do TSE tam­bém se ma­ni­fes­tou so­bre o ví­deo que veio à to­na em que o de­pu­ta­do Edu­ar­do Bol­so­na­ro (PSL-​SP), fi­lho do can­di­da­to à Pre­si­dên­cia Jair Bol­so­na­ro, diz que, se o Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral (STF) de­ci­dis­se con­tes­tar a can­di­da­tu­ra de seu pai, te­ria que pa­gar pa­ra ver o que acon­te­ce­ria. “Se qui­ser fe­char o STF, vo­cê sa­be o que vo­cê faz? Vo­cê não man­da nem um ji­pe. Man­da um sol­da­do e um ca­bo”, dis­se Edu­ar­do.
Leia mais