Arquivos de Ficha Limpa

Pressão leva Senado a barrar PL que enfraquece Ficha Limpa

quarta-feira, 21 de novembro de 2018 07:11 Notícias

De­pois de pres­são den­tro e fo­ra do Con­gres­so, o se­na­dor Da­lí­rio Be­ber (PSDB-​SC) re­sol­veu re­ti­rar de pau­ta nes­ta terça-​feira (20) o po­lê­mi­co pro­je­to de lei que, ca­so vi­es­se a ser apro­va­do, re­pre­sen­ta­ria o en­fra­que­ci­men­to da Lei da Fi­cha Lim­pa. Trata-​se do Pro­je­to de Lei do Se­na­do (PLS) 396/​2017, que em re­su­mo im­pe­de pu­ni­ção a agen­tes pú­bli­cos con­de­na­dos pe­la Lei da Fi­cha Lim­pa an­tes de 2010 (leia mais e ve­ja ín­te­gra do pro­je­to abai­xo). Além da ex­clu­são dos itens de vo­ta­ção, Da­lí­rio anun­ci­ou o ar­qui­va­men­to do PLS.

An­dré Coelho/​Agência O Glo­bo


Próceres do MDB, Renan, Jucá e Eunício são três dos senadores investigados em processos diversos e, por isso, eventuais beneficiários do projeto

A ma­té­ria tem si­do ata­ca­da há di­as por par­la­men­ta­res de di­ver­sos par­ti­dos. No no­ti­ciá­rio, a re­jei­ção tam­bém era evi­den­te. Di­an­te do qua­dro ad­ver­so, Da­lí­rio su­biu à tri­bu­na pa­ra pe­dir a de­li­be­ra­ção so­bre re­ti­ra­da do pro­je­to de pau­ta, no que foi aten­di­do pe­lo pre­si­den­te do Se­na­do, Eu­ní­cio Oli­vei­ra (MDB-​CE). Tão lo­go o tu­ca­no en­cer­rou seu pro­nun­ci­a­men­to, Eu­ní­cio co­lo­cou a so­li­ci­ta­ção sob de­ci­são de ple­ná­rio, que aca­tou o pe­di­do de re­ti­ra­da de for­ma sim­bó­li­ca (sem con­fe­rên­cia de vo­tos).

Na tri­bu­na, Da­lí­rio dis­se que “ja­mais quis cri­ar ta­ma­nha ce­leu­ma, nem tam­pou­co cau­sar cons­tran­gi­men­to aos meus pa­res”. “Não ha­ven­do o de­se­jo des­ta Ca­sa, da so­ci­e­da­de e, es­pe­ci­al­men­te, da po­pu­la­ção do es­ta­do de San­ta Ca­ta­ri­na na apre­ci­a­ção des­ta ma­té­ria, pe­ço apoio dos no­bres co­le­gas pa­ra que re­ti­re­mos es­ta pro­pos­ta e si­ga­mos em fren­te no en­fren­ta­men­to das ques­tões mais re­le­van­tes pa­ra o Bra­sil”, anun­ci­ou o se­na­dor, em se­gui­da apoi­a­do em apar­tes de ple­ná­rio.
Leia mais

O Se­na­do de­ve dis­cu­tir, a par­tir des­ta terça-​feira (20), o pro­je­to que pre­vê a li­mi­ta­ção da Lei da Fi­cha Lim­pa. A ma­té­ria es­ta­va na pau­ta da Ca­sa na se­ma­na pas­sa­da, mas a ses­são aca­bou can­ce­la­da na úl­ti­ma quarta-​feira (14).

Jo­nas Pereira/​Agência Se­na­do


Projeto de lei em discussão prevê que a inelegibilidade por oito anos só possa valer para condenados após 2010. Na semana passada, sessão que discutiria a matéria foi cancelada

O pro­je­to de lei em dis­cus­são pre­vê que a ine­le­gi­bi­li­da­de por oi­to anos só pos­sa va­ler pa­ra con­de­na­dos após 2010. O pro­je­to tra­mi­ta com ur­gên­cia. No ano pas­sa­do, o Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral (STF) de­ci­diu que a pe­na de ine­le­gi­bi­li­da­de por oi­to anos, pre­vis­ta pe­la lei pa­ra po­lí­ti­cos con­de­na­dos, po­de ser apli­ca­da a pes­so­as con­de­na­das an­tes da en­tra­da em vi­gor da Lei da Fi­cha Lim­pa, em 2010.
Leia mais

O Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral (STF) man­te­ve, na tar­de des­ta quinta-​feira (1), a de­ci­são de que a ine­le­gi­bi­li­da­de de oi­to anos tam­bém va­le pa­ra can­di­da­tos con­de­na­dos an­tes de 2010, com ba­se na le­gis­la­ção so­bre ine­le­gi­bi­li­da­de que bar­ra can­di­da­tos com de­ter­mi­na­das con­de­na­ções em ór­gão co­le­gi­a­do. A Lei da Fi­cha Lim­pa en­trou em vi­gor na­que­le ano, com pra­zo de oi­to anos pa­ra que can­di­da­tos pos­sam vol­tar a con­cor­rer.

Car­los Moura/​STF


Lewandowski pediu para que lei da Ficha Limpa passasse a ter um marco temporal

Em jul­ga­men­to re­a­li­za­do em ou­tu­bro, o Su­pre­mo já ti­nha to­ma­do a mes­ma de­ci­são. Mas, a pe­di­do do mi­nis­tro Ri­car­do Lewan­dows­ki, o ple­ná­rio da Su­pre­ma Cor­te de­ci­diu ana­li­sar se um mar­co tem­po­ral po­de­ria ser apli­ca­do à lei. Pa­ra Lewan­dows­ki, tal en­ten­di­men­to da lei de­ve­ria ser apli­ca­do a par­tir das elei­ções des­te ano, sem apli­car a re­gra a to­dos os ca­sos sob o ar­gu­men­to de que a de­ci­são po­de­ria cau­sar elei­ções su­ple­men­ta­res em um mo­men­to em que o or­ça­men­to do Tri­bu­nal Su­pe­ri­or Elei­to­ral (TSE) es­tá li­mi­ta­do. O mi­nis­tro afir­mou que a de­ci­são al­can­ça­ria man­da­tos de 24 pre­fei­tos, “um nú­me­ro in­con­tá­vel de ve­re­a­do­res e não se sa­be quan­tos de­pu­ta­dos”.
Leia mais