Arquivos de Justiça

A pro­pos­ta de emen­da à Cons­ti­tui­ção (PEC) que tor­na im­pres­cri­tí­vel o cri­me de es­tu­pro foi apro­va­da pe­la Co­mis­são de Cons­ti­tui­ção e Jus­ti­ça (CCJ) da Câ­ma­ra nes­ta quarta-​feira (25). O re­la­tor da ma­té­ria, de­pu­ta­do Léo Mo­ra­es (PODE-​RO) jus­ti­fi­ca que a PEC é ne­ces­sá­ria, pois em mui­tos ca­sos a ví­ti­ma en­tra em es­ta­do de cho­que e de­mo­ra pa­ra re­gis­trar a de­nún­cia, fa­zen­do com que mui­tos cri­mes se­jam de­nun­ci­a­dos ape­nas após a da­ta de pres­cri­ção.

Pa­blo Valadares/​Câmara dos De­pu­ta­dos


CCJ aprova PEC que torna imprescritível o crime de estupro

“É o ti­po de as­sun­to que não po­de ter di­fe­ren­ças par­ti­dá­ri­as. Atu­al­men­te, no Bra­sil, o cri­me de es­tu­pro po­de pres­cre­ver. En­tão quan­do a ví­ti­ma de­mo­ra a re­gis­trar a de­nún­cia, o cri­mi­no­so po­de fi­car im­pu­ne. Es­sa PEC vem pa­ra cor­ri­gir es­te er­ro”, res­sal­ta o par­la­men­tar.
Leia mais

Dis­cur­so do pre­si­den­te Jair Bol­so­na­ro na As­sem­bleia Ge­ral da ONU, vo­ta­ção da re­for­ma da Pre­vi­dên­cia na Co­mis­são de Cons­ti­tui­ção e Jus­ti­ça (CCJ) do Se­na­do, pos­si­bi­li­da­de de der­ru­ba­da de ve­tos pre­si­den­ci­ais à Lei do Abu­so de Au­to­ri­da­de e aná­li­se da Lei de Di­re­tri­zes Or­ça­men­tá­ri­as (LDO). Es­ses são al­guns dos te­mas que de­vem do­mi­nar o quen­te no­ti­ciá­rio po­lí­ti­co des­ta terça-​feira (24).

Divulgação/​Polícia Fe­de­ral


MPF acusa Geddel, o irmão Lúcio e a mãe, Marluce Vieira Lima, de associação criminosa e lavagem de dinheiro

O Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral (STF) de­ve jul­gar o pro­ces­so en­vol­ven­do os ir­mãos Ged­del e Lú­cio Vi­ei­ra Li­ma, ex-​deputados do MDB da Bahia acu­sa­dos de man­ter um bun­ker com R$ 51 mi­lhões ori­gi­ná­ri­os de pro­pi­na em Sal­va­dor. Ain­da sob a co­mo­ção cau­sa­da pe­la ga­ro­ta Ágha­ta Fé­lix, o gru­po de tra­ba­lho do pa­co­te an­ti­cri­me se reú­ne pa­ra dis­cu­tir, en­tre ou­tros pon­tos, pro­pos­ta que pro­te­ge po­li­ci­ais en­vol­vi­dos em mor­tes em con­fron­to.

Sai­ba mais so­bre es­ses as­sun­tos:
Leia mais

O Con­se­lho Fe­de­ral da Or­dem dos Ad­vo­ga­dos do Bra­sil (OAB) saiu em de­fe­sa do pro­je­to de lei que cri­mi­na­li­za o abu­so de au­to­ri­da­de nes­ta segunda-​feira (19). A en­ti­da­de acre­di­ta que o pro­je­to re­pre­sen­ta um avan­ço pa­ra as ga­ran­ti­as do di­rei­to de de­fe­sa e pa­ra a va­lo­ri­za­ção dos ad­vo­ga­dos e, por is­so, de­ve ser san­ci­o­na­do pe­lo pre­si­den­te Jair Bol­so­na­ro, que, no en­tan­to, tem si­do pres­si­o­na­do por ou­tras en­ti­da­des e po­lí­ti­cos pa­ra ve­tar tre­chos da pro­pos­ta.

Divulgação/​OAB


Conselho Federal da OAB aprovou por unanimidade uma moção de apoio ao projeto, que, para a entidade, criminaliza a violação das prerrogativas dos advogados

“O ple­ná­rio do Con­se­lho Fe­de­ral da OAB apro­vou, nes­ta segunda-​feira, por una­ni­mi­da­de, uma mo­ção de apoio ao pro­je­to de lei que cri­mi­na­li­za a vi­o­la­ção das prer­ro­ga­ti­vas dos ad­vo­ga­dos. A me­di­da foi vo­ta­da e apro­va­da pe­las du­as ca­sas le­gis­la­ti­vas e aguar­da san­ção pre­si­den­ci­al. A OAB Na­ci­o­nal afir­ma que a san­ção da no­va nor­ma é fun­da­men­tal, e con­ta­rá com a mo­bi­li­za­ção da ad­vo­ca­cia”, in­for­mou em no­ta o Con­se­lho Fe­de­ral da OAB, que reú­ne 81 re­pre­sen­tan­tes das re­pre­sen­ta­ções es­ta­du­ais da Or­dem e clas­si­fi­cou o pro­je­to co­mo “uma das prin­ci­pais pro­pos­tas le­gis­la­ti­vas apoi­a­das pe­la ad­vo­ca­cia”.
Leia mais

O inqué­ri­to po­li­ci­al que in­ves­ti­ga do­a­ções do em­pre­sá­rio Jo­es­ley Ba­tis­ta ao de­pu­ta­do fe­de­ral Aé­cio Ne­ves (PSDB-​MG) se­rá man­ti­do em São Pau­lo. Foi o que de­ter­mi­nou uma de­ci­são da Jus­ti­ça Fe­de­ral de São Pau­lo, que ne­gou pe­di­do do ex-​senador. Sua de­fe­sa pe­dia a trans­fe­rên­cia do pro­ces­so pa­ra a Jus­ti­ça Elei­to­ral, em Bra­sí­lia.

Wil­son Dias/​Agência Bra­sil


Aécio Neves pediu a transferência do processo para a Justiça Eleitoral em Brasília, mas teve o pedido negado

No inqué­ri­to, Aé­cio foi acu­sa­do pe­la Pro­cu­ra­do­ria Ge­ral da Re­pú­bli­ca pe­los cri­mes de cor­rup­ção pas­si­va e obs­tru­ção da Jus­ti­ça, no ca­so em que re­ce­beu R$ 2 mi­lhões do em­pre­sá­rio du­ran­te uma reu­nião no Ho­tel Uni­que, na ca­pi­tal Pau­lis­ta.
Leia mais

O Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral (STF) de­ci­diu, nes­ta quinta-​feira, equi­pa­rar a ho­mo­fo­bia e a trans­fo­bia ao cri­me de ra­cis­mo. A Cor­te en­cer­rou um jul­ga­men­to que foi di­vi­di­do em seis ses­sões, des­de fe­ve­rei­ro, e ter­mi­nou com o re­sul­ta­do de 8 vo­tos a 3 por es­se en­ten­di­men­to.

Nel­son Jr./SCO/STF

Se­te mi­nis­tros acom­pa­nha­ram o vo­to do re­la­tor, o de­ca­no Cel­so de Mel­lo. Os úni­cos con­trá­ri­os fo­ram os mi­nis­tros Ri­car­do Lewan­dows­ki, Mar­co Au­ré­lio Mel­lo e o pre­si­den­te do Su­pre­mo, Di­as Tof­fo­li. Por um pla­car ain­da mais alar­ga­do, 10 a 1, o STF re­co­nhe­ceu que hou­ve mo­ra le­gis­la­ti­va, ou se­ja, que o Con­gres­so foi omis­so ao não cri­ar uma le­gis­la­ção so­bre o te­ma, ape­sar de pro­je­tos de lei nes­se sen­ti­do cir­cu­la­rem no Par­la­men­to des­de 2001.
Leia mais

Re­ve­la­da na noi­te da úl­ti­ma quarta-​feira (11) pe­lo jor­na­lis­ta Rei­nal­do Aze­ve­do, uma men­sa­gem do apli­ca­ti­vo Te­le­gram ob­ti­da pe­lo si­te The In­ter­cept su­ge­re que a força-​tarefa da ope­ra­ção La­va Ja­to con­ta­va com apoio do mi­nis­tro Luiz Fux, do Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral (STF). Em abril de 2016, se­gun­do o va­za­men­to, o pro­cu­ra­dor fe­de­ral Del­tan Dal­lag­nol, co­or­de­na­dor da La­va Ja­to no Pa­ra­ná, con­tou ao en­tão juiz fe­de­ral Sér­gio Mo­ro (ho­je mi­nis­tro da Jus­ti­ça e Se­gu­ran­ça Pú­bli­ca) ter en­con­tra­do Fux e que o ma­gis­tra­do dis­se pa­ra “con­tar­mos [a força-​tarefa da La­va Ja­to] com ele pa­ra o que pre­ci­sar­mos, mais uma vez”. Mo­ro, en­tão, res­pon­deu: “In Fux we trust” (con­fi­a­mos em Fux, em in­glês).

Mar­ce­lo Camargo/​Agência Bra­sil


Fux apareceu pela primeira vez nos vazamentos do site The Intercept sobre a Lava Jato

O re­ca­do faz par­te do ma­te­ri­al que o In­ter­cept di­vul­ga des­de o úl­ti­mo do­min­go (9) e que su­ge­re que Mo­ro de­ba­tia es­tra­té­gi­as com Dal­lag­nol e che­ga­va a ori­en­tar de­ci­sões dos in­ves­ti­ga­do­res. Mi­nis­tro e pro­cu­ra­dor afir­mam que ti­ve­ram os ce­lu­la­res in­va­di­dos por um hac­ker e ne­gam que os va­za­men­tos in­di­quem con­luio en­tre as par­tes, mas não con­tes­ta­ram a ve­ra­ci­da­de do con­teú­do di­vul­ga­do.

A men­sa­gem re­ve­la­da na úl­ti­ma quar­ta foi en­vi­a­da por Dal­lag­nol a pro­cu­ra­do­res em um gru­po de dis­cus­são do Te­le­gram, no dia 22 de abril de 2016, e re­pas­sa­da a Mo­ro no mes­mo dia. A con­ver­sa ocor­reu pou­co mais de um mês após Mo­ro ter re­ti­ra­do o si­gi­lo de de­ze­nas de áu­di­os de li­ga­ções do ex-​presidente Luiz Iná­cio Lu­la da Sil­va, um epi­só­dio que agra­vou a cri­se em tor­no da en­tão pre­si­den­te Dil­ma Rous­seff.
Leia mais

A Sex­ta Tur­ma do Su­pe­ri­or Tri­bu­nal de Jus­ti­ça (STJ) vo­tou por una­ni­mi­da­de, nes­ta terça-​feira (14), a fa­vor de um pe­di­do de ha­be­as cor­pus da de­fe­sa do ex-​presidente Mi­chel Te­mer, pre­so des­de a úl­ti­ma quin­ta. Qua­tro mi­nis­tros que par­ti­ci­pa­ram do jul­ga­men­to (o quin­to mem­bro do co­le­gi­a­do declarou-​se im­pe­di­do).

Re­pro­du­ção

Com a de­ci­são, Te­mer e o Co­ro­nel João Ba­tis­ta Li­ma Fi­lho, ami­go e apon­ta­do co­mo ope­ra­dor do ex-​presidente, po­de­rão ser sol­tos. O vo­to do re­la­tor, mi­nis­tro Antô­nio Sal­da­nha de­ter­mi­nou res­tri­ções a Te­mer e Co­ro­nel Li­ma: os dois não po­de­rão ter con­ta­to com ou­tros in­ves­ti­ga­dos nem mu­dar de en­de­re­ço, te­rão bens blo­que­a­dos e pre­ci­sa­rão en­tre­gar pas­sa­por­tes.
Leia mais

Mes­mo al­vo de inú­me­ras crí­ti­cas, de ques­ti­o­na­men­to do Mi­nis­té­rio pú­bli­co e de uma ação po­pu­lar, o Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral (STF) não de­si­si­tiu da com­pra mi­li­o­ná­ria de re­fei­ções pa­ra ser­vir aos mi­nis­tros e con­vi­da­dos. En­tre os itens há me­da­lhões de la­gos­tas, ca­ma­rões e vi­nhos im­por­ta­dos. A in­for­ma­ção es­tá no Blog do Faus­to Ma­ce­do, no si­te do Es­ta­do de S.Paulo.

Agên­cia Bra­sil


Edital foi alvo de polêmica, mas ainda assim compra foi confirmada na sexta. Constam no cardápio itens como lagosta e vinhos importados, entre vários outros

O va­lor or­ça­do ini­ci­al­men­te em R$ 1,134 mi­lhão, mas con­for­me a re­por­ta­gem aca­bou fi­can­do em cer­ca de R$ 481 mil. “O edi­tal pro­vo­cou des­con­for­to en­tre mi­nis­tros da Cor­te e in­dig­na­ção en­tre ser­vi­do­res do tri­bu­nal. Um mi­nis­tro dis­se re­ser­va­da­men­te à re­por­ta­gem que a com­pra não foi pre­vi­a­men­te dis­cu­ti­da pe­los ma­gis­tra­dos em ses­são ad­mi­nis­tra­ti­va e, por­tan­to, não foi chan­ce­la­da pe­lo co­le­gi­a­do”, des­ta­ca o tex­to.
Leia mais

O se­na­dor Ma­jor Olím­pio (PSL-​SP) apa­re­ceu “amor­da­ça­do” em fren­te à se­de do Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral (STF) no iní­cio da tar­de des­ta quarta-​feira (17). Era uma ma­ni­fes­ta­ção de re­pú­dio ao inqué­ri­to que o tri­bu­nal con­duz pa­ra apu­rar ofen­sas aos mi­nis­tros da Cor­te, em es­pe­ci­al con­tra a de­ci­são do mi­nis­tro Ale­xan­dre de Mo­ra­es de cen­su­rar uma re­por­ta­gem dos si­tes Cru­soé e O An­ta­go­nis­ta que ci­ta­va o pre­si­den­te do STF, Di­as Tof­fo­li.

Divulgação/​Congresso em Fo­co


Para senador, inquérito do STF desrespeita a Constituição

“Uma for­ma de ma­ni­fes­ta­ção da de­mo­cra­cia é jus­ta­men­te a li­ber­da­de dos ór­gãos de im­pren­sa. É ló­gi­co que pe­lo que vo­cê es­cre­ve, pe­lo que vo­cê fa­la, vo­cê po­de ser res­pon­sa­bi­li­za­do. Mas nós te­mos a li­ber­da­de de im­pren­sa ga­ran­ti­da na Cons­ti­tui­ção, e o Su­pre­mo, co­mo guar­dião da Cons­ti­tui­ção, não po­de des­cum­prir”, dis­se o se­na­dor ao Con­gres­so em Fo­co.

Ma­jor Olím­pio afir­ma que con­ti­nu­a­rá sen­do fa­vo­rá­vel à Co­mis­são Par­la­men­tar de Inqué­ri­to (CPI) do Se­na­do, a cha­ma­da CPI La­va To­ga, que re­ce­beu um pa­re­cer con­trá­rio da Co­mis­são de Cons­ti­tui­ção e Jus­ti­ça (CCJ), mas ain­da se­rá ana­li­sa­da pe­lo ple­ná­rio da Ca­sa.
Leia mais

Co­nhe­ci­do co­mo o guar­dião da Cons­ti­tui­ção, o Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral (STF) vi­o­lou prin­cí­pi­os cons­ti­tu­ci­o­nais, por meio de dois seus 11 mi­nis­tros – o pre­si­den­te da cor­te, Di­as Tof­fo­li, e Ale­xan­dre de Mo­ra­es. Es­se é o en­ten­di­men­to da procuradora-​geral da Re­pú­bli­ca, Ra­quel Dod­ge, ao man­dar ar­qui­var o inqué­ri­to aber­to por Tof­fo­li pa­ra apu­rar ame­a­ças e crí­ti­cas a in­te­gran­tes do Su­pre­mo, sem con­sul­tar o Mi­nis­té­rio Pú­bli­co Fe­de­ral. Pa­ra Ra­quel Dod­ge, Ale­xan­dre de Mo­ra­es, na con­di­ção de re­la­tor das in­ves­ti­ga­ções, tam­bém des­cum­priu a Cons­ti­tui­ção ao ig­no­rar a PGR so­bre os man­da­dos de bus­ca e apre­en­são cum­pri­dos nes­ta terça-​feira (16) e a or­dem de cen­su­ra im­pos­ta on­tem (15) ao si­te O An­ta­go­nis­ta e à re­vis­ta di­gi­tal Cru­soé.

Agên­cia Bra­sil


Dias Toffoli e Alexandre de Moraes ainda não se manifestaram sobre a posição de Raquel

Es­ses, po­rém, não fo­ram os úni­cos pro­ble­mas apon­ta­dos por ela. Na ava­li­a­ção da procuradora-​geral, Tof­fo­li e Mo­ra­es co­me­te­ram “ví­ci­os in­sa­ná­veis do pon­to de vis­ta cons­ti­tu­ci­o­nal”. Por is­so, em seu des­pa­cho de se­te pá­gi­nas, Ra­quel afir­ma que to­dos os pro­ce­di­men­tos re­a­li­za­dos a par­tir des­se inqué­ri­to (4781) são con­si­de­ra­dos nu­los pe­la PGR. O ca­so ain­da ge­ra po­lê­mi­ca. Há ju­ris­tas que ar­gu­men­tam que a pro­cu­ra­do­ra não po­de de­ter­mi­nar o ar­qui­va­men­to, mas ape­nas recomendá-​lo aos mi­nis­tros do Su­pre­mo. A ten­dên­cia é que a de­ci­são se­ja dis­cu­ti­da pe­lo ple­ná­rio do pró­prio Su­pre­mo, que tem ju­ris­pru­dên­cia de se­guir os ar­qui­va­men­tos re­co­men­da­dos pe­la Pro­cu­ra­do­ria. Nem os mi­nis­tros nem a cor­te se ma­ni­fes­ta­ram até ago­ra.
Leia mais