Arquivos de Operação Lava Jato

O mi­nis­tro do Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral (STF) Gil­mar Men­des fez um dis­cur­so in­ci­si­vo con­tra mé­to­dos em­pre­ga­dos pe­la força-​tarefa da La­va Ja­to nes­ta quarta-​feira (2), du­ran­te o jul­ga­men­to de um re­cur­so que po­de afe­tar as con­de­na­ções da ope­ra­ção. Em de­ter­mi­na­do mo­men­to em que fa­la­va da ope­ra­ção, ele fez uma com­pa­ra­ção com as mi­lí­ci­as.

Nel­son Jr/​STF


Gilmar Mendes afirmou que prisões preventivas era método de tortura

“É pre­ci­so o com­ba­te à cor­rup­ção den­tro do es­ta­do de di­rei­to. Não se po­de com­ba­ter a cor­rup­ção co­me­ten­do cri­mes, ame­a­çan­do pes­so­as, exi­gin­do de­la­ções ou fa­zen­do acor­dos, ten­do ir­mão co­mo ir­mão por­que pas­sam as de­la­ções. Tu­do is­so não é com­pa­tí­vel com a or­dem do es­ta­do de di­rei­to. As­sim se ins­ta­lam as mi­lí­ci­as bra­si­lei­ras. Es­qua­drão da Mor­te é fru­to dis­to. É pre­ci­so ter cui­da­do. Quem in­ves­ti­ga tem que ob­ser­var o es­ta­do de di­rei­to”, dis­se.
Leia mais

O Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral (STF) adi­ou a con­ti­nui­da­de do jul­ga­men­to que po­de afe­tar as de­ci­sões da ope­ra­ção La­va Ja­to. A no­va ses­são so­bre o te­ma es­ta­va pre­vis­ta pa­ra es­ta quinta-​feira (3), mas foi sus­pen­sa sob o ar­gu­men­to de que não ha­ve­ria quó­rum.

STF


Proposta de Dias Toffoli pode reduzir os efeitos da decisão desta quarta-feira

De­pois de de­ter­mi­nar que os réus de­la­ta­dos têm di­rei­to a fa­zer su­as ale­ga­ções fi­nais após os réus co­la­bo­ra­do­res, o Su­pre­mo de­ci­diu on­tem (2) por ado­tar uma te­se, que de­ve li­mi­tar os al­can­ces da de­ci­são. A ses­são, no en­tan­to, ter­mi­nou an­tes que os mi­nis­tros de­li­be­ras­sem so­bre o as­sun­to.
Leia mais

O ex-​procurador ge­ral da Re­pú­bli­ca Ro­dri­go Ja­not pen­sou em ma­tar o mi­nis­tro do Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral (STF) Gil­mar Men­des no au­ge das in­ves­ti­ga­ções da La­va Ja­to, em 2017. O pla­no, aban­do­na­do no úl­ti­mo ins­tan­te, foi re­ve­la­do por Ja­not em en­tre­vis­ta à Re­vis­ta Ve­ja. “Ia dar um ti­ro e me sui­ci­dar”, ad­mi­tiu o ex-​procurador, que na pró­xi­ma se­ma­na lan­ça o li­vro Na­da Me­nos que Tu­do pa­ra re­ve­lar es­se e ou­tros bas­ti­do­res das in­ves­ti­ga­ções da força-​tarefa da La­va Ja­to.

Mar­ce­lo Camargo/​Agência Bra­sil


Janot admite que quase matou Gilmar Mendes em um livro que vai lançar na próxima semana contando bastidores da Lava Jato

“Num dos mo­men­tos de dor agu­da, de ira ce­ga, bo­tei uma pis­to­la car­re­ga­da na cin­tu­ra e por mui­to pou­co não des­car­re­guei na ca­be­ça de uma au­to­ri­da­de de lín­gua fe­ri­na que, em meio àque­la al­ga­ra­via or­ques­tra­da pe­los in­ves­ti­ga­dos, re­sol­ve­ra fa­zer gra­ça com mi­nha fi­lha. Só não hou­ve o ges­to ex­tre­mo por­que, no ins­tan­te de­ci­si­vo, a mão in­vi­sí­vel do bom sen­so to­cou meu om­bro e dis­se: não”, re­ve­la Ja­not no li­vro Na­da Me­nos que Tu­do.
Leia mais

O ex-​senador Aloy­sio Nu­nes (SP), que de­fen­deu o im­pe­a­ch­ment de Dil­ma Rous­seff e foi chan­ce­ler do go­ver­no Te­mer, re­ve­lou em en­tre­vis­ta pu­bli­ca­da pe­la Fo­lha de São Pau­lo nes­ta sexta-​feira (27) que re­viu al­gu­mas opi­niões so­bre o afas­ta­men­to da pe­tis­ta di­an­te da di­vul­ga­ção de men­sa­gens atri­buí­das a pro­cu­ra­do­res da La­va Ja­to pe­lo si­te The In­ter­cept. Ele acre­di­ta que hou­ve “ma­ni­pu­la­ção po­lí­ti­ca do im­pe­a­ch­ment” com a di­vul­ga­ção, por par­te da La­va Ja­to, de diá­lo­gos en­tre Lu­la e Dil­ma.

Agên­cia Bra­sil


Aloysio Nunes critica Operação Lava Jato

“O Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral aca­bou por bar­rar a pos­se do Lu­la [co­mo mi­nis­tro de Dil­ma] com ba­se em uma di­vul­ga­ção par­ci­al de diá­lo­go, fei­ta por eles, Mo­ro e seus su­bor­di­na­dos, do Mi­nis­té­rio Pú­bli­co. Eles ma­ni­pu­la­ram o im­pe­a­ch­ment, ven­de­ram pei­xe po­dre pa­ra o Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral. Is­so é mui­to gra­ve”, afir­mou, ad­mi­tin­do que o PSDB ex­plo­rou es­ses diá­lo­gos à épo­ca. “Eu fui a fa­vor do im­pe­a­ch­ment. […] Co­mo uma pre­si­den­te não con­se­gue ter 173 vo­tos pa­ra bar­rar o im­pe­a­ch­ment, que pra­ti­cou atos que, à luz da pró­pria le­gis­la­ção, cons­ti­tuiu cri­me de res­pon­sa­bi­li­da­de, não ha­via co­mo a man­ter no po­der”, ar­gu­men­tou.
Leia mais

O em­prei­tei­ro que in­cri­mi­nou o ex-​presidente Lu­la no ca­so que o le­vou à pri­são foi tra­ta­do com des­con­fi­an­ça pe­la Ope­ra­ção La­va Ja­to du­ran­te qua­se to­do o tem­po em que se dispôs a co­la­bo­rar com as in­ves­ti­ga­ções, apon­ta re­por­ta­gem con­jun­ta da Fo­lha de S.Paulo e do In­ter­cept Bra­sil. É o que in­di­ca a tro­ca de men­sa­gens pri­va­das tro­ca­das en­tre pro­cu­ra­do­res en­vol­vi­dos nas ne­go­ci­a­ções re­pro­du­zi­da na edi­ção des­te do­min­go (30) do jor­nal.

Luis Macedo/​Câmara dos De­pu­ta­dos


Léo Pinheiro em depoimento à CPI da Petrobras no Congresso

Se­gun­do a re­por­ta­gem, o em­pre­sá­rio Leo Pi­nhei­ro, da OAS, só apre­sen­tou a ver­são que in­cri­mi­nou Lu­la em abril de 2017, mais de um ano de­pois do iní­cio das ne­go­ci­a­ções com a La­va Ja­to, quan­do foi in­ter­ro­ga­do pe­lo en­tão juiz Ser­gio Mo­ro no pro­ces­so do tri­plex. Na oca­sião, ele dis­se que a re­for­ma do imó­vel era par­te dos acer­tos que fi­ze­ra com o PT pa­ra ga­ran­tir con­tra­tos da OAS com a Pe­tro­bras. Es­sa co­ne­xão fun­da­men­tal pa­ra que o pro­ces­so fi­cas­se nas mãos de Mo­ro.
Leia mais

Men­sa­gens tro­ca­das por apli­ca­ti­vo en­tre o pro­cu­ra­dor fe­de­ral Del­tan Dal­lag­nol e o en­tão juiz Ser­gio Mo­ro, ho­je mi­nis­tro da Jus­ti­ça, in­di­cam que os dois com­bi­na­ram ações da Ope­ra­ção La­va Ja­to. Re­por­ta­gem do si­te The In­ter­cept mos­tra que Mo­ro su­ge­riu ao co­or­de­na­dor da força-​tarefa da La­va Ja­to em Cu­ri­ti­ba que tro­cas­se a or­dem de fa­ses da La­va Ja­to, co­brou agi­li­da­de em no­vas ope­ra­ções e deu pis­tas in­for­mais de in­ves­ti­ga­ção, além de con­se­lhos es­tra­té­gi­cos.

Lu­la Marques/​AgPT


Oposição anuncia medidas contra Moro e Dallagnol

Por meio de no­ta, Mo­ro e a força-​tarefa da La­va Ja­to re­a­gi­ram com in­dig­na­ção ao va­za­men­to das con­ver­sas, que, se­gun­do eles, não apon­tam qual­quer ile­ga­li­da­de, mas vi­sam a atin­gir a me­ga­o­pe­ra­ção. Tan­to o ex-​juiz quan­to os pro­cu­ra­do­res ale­ga­ram que não fo­ram pro­cu­ra­dos pe­lo si­te an­tes da pu­bli­ca­ção da re­por­ta­gem, clas­si­fi­ca­ram co­mo cri­mi­no­sa a in­va­são aos seus ce­lu­la­res e re­cla­ma­ram que fra­ses fo­ram re­ti­ra­das de con­tex­to. Ne­nhum dos dois la­dos, po­rém, con­tes­tou a au­to­ria das men­sa­gens tro­ca­das.
Leia mais

O se­na­dor Re­nan Ca­lhei­ros (MDB-​AL) co­me­mo­rou on­tem, por meio do Twit­ter, o ar­qui­va­men­to mais um inqué­ri­to que ha­via si­do aber­to con­tra ele no âm­bi­to da ope­ra­ção La­va Ja­to no Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral (STF). O re­la­tor da La­va Ja­to no Su­pre­mo, mi­nis­tro Ed­son Fa­chin, ar­qui­vou uma in­ves­ti­ga­ção con­tra ele e o pre­si­den­te da Câ­ma­ra, Ro­dri­go Maia (DEM-​RJ), por su­pos­to re­ce­bi­men­to de va­lo­res pa­ra apro­var me­di­das pro­vi­só­ri­as.

Fa­bio Ro­dri­gues Pozzebom/​Agência Bra­sil


Senador Renan Calheiros durante sessão de votação para escolha do novo presidente do Senado

Re­nan usou a men­sa­gem pa­ra ata­car o pro­cu­ra­dor Del­tan Dal­lag­nol, co­or­de­na­dor da La­va Ja­to no Pa­ra­ná, e o ex-​procurador-​geral da Re­pú­bli­ca Ro­dri­go Ja­not, que for­mu­lou a mai­o­ria das de­nún­ci­as da PGR con­tra de­ten­to­res de fo­ro pri­vi­le­gi­a­do. O ex-​presidente do Se­na­do já te­ve vá­ri­os inqué­ri­tos ar­qui­va­dos, ain­da res­pon­de a ou­tros, mas até o mo­men­to não tornou-​se réu no Su­pre­mo no âm­bi­to da La­va Ja­to “Acu­sa­ções ab­sur­das que es­tão sen­do cor­ri­gi­das. Es­tá ca­da vez mais evi­den­te que as in­ves­ti­ga­ções fo­ram fru­to de per­se­gui­ção de Ja­not e do pro­cu­ra­dor do power point, Del­lag­nol (sic)”, es­cre­veu o se­na­dor.
Leia mais

A Se­gun­da Tur­ma do Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral (STF) de­ci­diu ho­je (9) man­ter a con­de­na­ção do ex-​presidente da Câ­ma­ra dos De­pu­ta­dos Edu­ar­do Cu­nha, que es­tá pre­so des­de ou­tu­bro de 2016, no Com­ple­xo Médico-​Penal em Pi­nhais, re­gião me­tro­po­li­ta­na de Cu­ri­ti­ba, em fun­ção das in­ves­ti­ga­ções da Ope­ra­ção La­va Ja­to.

EBC


Ex-presidente recorria de condenação a 14 anos de prisão

O co­le­gi­a­do jul­gou um pe­di­do de ha­be­as cor­pus pro­to­co­la­do pe­la de­fe­sa de Cu­nha pa­ra que a con­de­na­ção do ex-​deputado na La­va Ja­to fos­se re­vis­ta. No en­ten­di­men­to dos ad­vo­ga­dos, os cri­mes de cor­rup­ção e la­va­gem de di­nhei­ro de­vem ser ava­li­a­dos co­mo úni­ca prá­ti­ca cri­mi­no­sa, fa­to que po­de­ria bai­xar a pe­na e re­du­zir o tem­po de con­de­na­ção.
Leia mais

A Jus­ti­ça Fe­de­ral de São Pau­lo acei­tou ho­je (4) a de­nún­cia do Mi­nis­té­rio Pú­bli­co Fe­de­ral (MPF) e tor­nou réus o ex-​presidente da Re­pú­bli­ca Mi­chel Te­mer e sua fi­lha, Ma­ris­te­la Te­mer, sob acu­sa­ção do cri­me de la­va­gem de di­nhei­ro. Tam­bém tornaram-​se réus pe­lo mes­mo de­li­to João Bap­tis­ta Li­ma Fi­lho, co­nhe­ci­do co­mo co­ro­nel Li­ma, e sua es­po­sa, Ma­ria Ri­ta Fra­te­zi, con­tro­la­do­res da em­pre­sa Ar­ge­plan.

Isac Nóbrega/​PR


Temer ficou quatro dias preso no Rio

“A nar­ra­ti­va [da de­nún­cia do MPF] é cla­ra o su­fi­ci­en­te pa­ra per­mi­tir o exer­cí­cio do di­rei­to de de­fe­sa e os fa­tos nar­ra­dos con­fi­gu­ram, em te­se, in­fra­ção pe­nal. A de­nún­cia é ain­da las­tre­a­da em in­dí­ci­os mí­ni­mos de au­to­ria e de ma­te­ri­a­li­da­de da in­fra­ção pe­nal im­pu­ta­da aos acu­sa­dos”, dis­se na de­ci­são o juiz fe­de­ral subs­ti­tu­to da 6ª Va­ra Cri­mi­nal Fe­de­ral Es­pe­ci­a­li­za­da em Cri­mes con­tra o Sis­te­ma Fi­nan­cei­ro Na­ci­o­nal e em La­va­gem de Va­lo­res, Di­e­go Pa­es Mo­rei­ra.
Leia mais

O Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral (STF) con­fir­mou nes­ta terça-​feira (2) que de­vol­veu o pas­sa­por­te do ho­je de­pu­ta­do Aé­cio Ne­ves (PSDB-​MG), re­co­lhi­do em 2017 pe­la cor­te na Ação Cau­te­lar 4327, que le­vou ao afas­ta­men­to do man­da­to do en­tão se­na­dor, na es­tei­ra do es­cân­da­lo da JBS. A res­ti­tui­ção do do­cu­men­to cum­pre de­ci­são do re­la­tor do ca­so, mi­nis­tro Mar­co Au­ré­lio Mel­lo, que sus­pen­deu a me­di­da em 2017, após vo­ta­ção do Se­na­do que re­con­du­ziu Aé­cio ao man­da­to.

Pe­dro França/​Agência Se­na­do


Candidato a presidente quatro anos atrás, Aécio caiu em desgraça, inclusive no próprio partido, após as denúncias e gravações comprometedoras de Joesley Batista

Em no­ta, a as­ses­so­ria do de­pu­ta­do mi­nei­ro afir­mou que, ape­sar de o do­cu­men­to es­tar li­be­ra­do des­de 2017, seus ad­vo­ga­dos de­ci­di­ram retirá-​lo ape­nas no úl­ti­mo 20 de mar­ço, um dia an­tes da pri­são do ex-​presidente Mi­chel Te­mer e do ex-​ministro Mo­rei­ra Fran­co (MDB). Ques­ti­o­na­da, a de­fe­sa de Aé­cio de­cla­rou ao Con­gres­so em Fo­co que não há ne­nhu­ma ra­zão es­pe­cí­fi­ca pa­ra a de­mo­ra na re­ti­ra­da do pas­sa­por­te e que es­ta foi ape­nas uma de­ci­são dos ad­vo­ga­dos do ca­so. No pro­ces­so, o de­pu­ta­do é re­pre­sen­ta­do por Al­ber­to Za­cha­ri­as To­ron. Nes­se pe­río­do, na prá­ti­ca, ele fi­cou im­pe­di­do de vo­ar pa­ra o ex­te­ri­or.
Leia mais