Arquivos de Polícia Federal

A Po­lí­cia Fe­de­ral en­vi­ou nes­ta segunda-​feira (26) ao STF (Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral) inqué­ri­to fi­na­li­za­do con­tra o pre­si­den­te da Câ­ma­ra dos De­pu­ta­do, Ro­dri­go Maia (DEM-​RJ). A PF afir­ma que há “ele­men­tos con­cre­tos e re­le­van­tes” de que o de­mis­ta co­me­teu cor­rup­ção pas­si­va, fal­si­da­de ide­o­ló­gi­ca e la­va­gem de di­nhei­ro. Os cri­mes fo­ram im­pu­ta­dos ao pre­si­den­te da Câ­ma­ra em de­la­ções de exe­cu­ti­vos da em­prei­tei­ra Ode­bre­cht.

Reprodução/​Rodrigo Maia


Rodrigo e Cesar Maia têm inquérito analisado pelo STF

O inqué­ri­to da PF afir­ma que Maia e seu pai, o ex-​prefeito do Rio de Ja­nei­ro Cé­sar Maia (DEM) re­ce­be­ram con­tri­bui­ções in­de­vi­das nos anos de 2008, 2010, 2011 e 2014. O re­la­tor do ca­so no STF, mi­nis­tro Ed­son Fa­chin, re­me­teu (ín­te­gra) o pro­ces­so pa­ra aná­li­se da Pro­cu­ra­do­ra Ge­ral da Re­pú­bli­ca, Ra­quel Dod­ge, que de­ve apre­sen­tar a de­nún­cia ou ar­qui­va­men­to em 15 di­as.
Leia mais

A ten­ta­ti­va do pre­si­den­te Jair Bol­so­na­ro de in­ter­fe­rir na no­me­a­ção do su­pe­rin­ten­den­te da Po­lí­cia Fe­de­ral no Rio de Ja­nei­ro po­de abrir o ca­mi­nho pa­ra a re­to­ma­da de du­as pro­pos­tas de emen­da à Cons­ti­tui­ção (PECs) pa­ra­das no Con­gres­so. Após a de­cla­ra­ção do pre­si­den­te de que ele é “quem man­da” na de­fi­ni­ção dos car­gos de co­man­do do ór­gão, de­le­ga­dos fe­de­rais de­ci­di­ram co­brar dos par­la­men­ta­res a apro­va­ção da au­to­no­mia ad­mi­nis­tra­ti­va, fi­nan­cei­ra e or­ça­men­tá­ria da Po­lí­cia Fe­de­ral, além da fi­xa­ção de um man­da­to fi­xo pa­ra o diretor-​geral da ins­ti­tui­ção.

Pe­dro França/​Agência Se­na­do


Para Edvandir Paiva, declarações de Bolsonaro mostram como a Polícia Federal não tem autonomia e está sujeita a interferências políticas

As me­di­das es­tão pre­vis­tas res­pec­ti­va­men­te em du­as PECs, a 412/​09, em tra­mi­ta­ção na Câ­ma­ra, a PEC 101/​15 , no Se­na­do. “Va­mos bus­car a au­to­no­mia na Cons­ti­tui­ção, que é o úni­co re­mé­dio pa­ra pro­te­ger a po­lí­cia des­se ti­po de cri­se e de uma in­ter­fe­rên­cia in­de­vi­da. Há dez anos di­ze­mos que a pos­si­bi­li­da­de de in­ter­fe­rên­cia po­lí­ti­ca na PF. Nes­se ca­so, ago­ra, foi pú­bli­co. Mas há for­mas de se fa­zer is­so nos bas­ti­do­res, com cor­te de ver­ba, trans­fe­rên­ci­as e pro­mo­ções es­tra­té­gi­cas. Nin­guém fi­ca sa­ben­do dis­so”, afir­mou o pre­si­den­te da As­so­ci­a­ção dos De­le­ga­dos da Po­lí­cia Fe­de­ral (ADPF), Ed­van­dir Pai­va, ao Con­gres­so em Fo­co.
Leia mais

O pre­si­den­te da Con­fe­de­ra­ção Na­ci­o­nal da In­dús­tria (CNI), Rob­son An­dra­de, é um dos dez pre­sos na Ope­ra­ção Fan­to­che, de­sen­ca­de­a­da nes­ta terça-​feira (19) pe­la Po­lí­cia Fe­de­ral pa­ra in­ves­ti­gar es­que­ma de cor­rup­ção en­vol­ven­do con­tra­tos en­tre em­pre­sas li­ga­das a uma mes­ma fa­mí­lia, o Mi­nis­té­rio do Tu­ris­mo e o Sis­te­ma S no va­lor to­tal de R$ 400 mi­lhões.

Ja­ne de Araújo/​Agência Se­na­do


CNI, presidida por Robson Andrade, comanda o Sistema S

Se­gun­do a Po­lí­cia Fe­de­ral, a mai­or par­te dos con­tra­tos tra­ta­va da exe­cu­ção de even­tos cul­tu­rais e de pu­bli­ci­da­de su­per­fa­tu­ra­dos ou que não fo­ram con­cluí­dos, com re­cur­sos des­vi­a­dos por meio de em­pre­sas de fa­cha­da.

“A atu­a­ção do gru­po con­sis­tia na uti­li­za­ção de en­ti­da­des de di­rei­to pri­va­do, sem fins lu­cra­ti­vos, pa­ra jus­ti­fi­car ce­le­bra­ção de con­tra­tos e con­vê­ni­os di­re­tos com o mi­nis­té­rio e uni­da­des do Sis­te­ma S. Tais con­tra­tos, em sua mai­o­ria, vol­ta­dos à exe­cu­ção de even­tos cul­tu­rais e de pu­bli­ci­da­de su­per­fa­tu­ra­dos e/​ou com ine­xe­cu­ção par­ci­al, sen­do os re­cur­sos pos­te­ri­or­men­te des­vi­a­dos em fa­vor do nú­cleo em­pre­sa­ri­al por in­ter­mé­dio de em­pre­sas de fa­cha­da”, afir­ma a Po­lí­cia Fe­de­ral em no­ta.
Leia mais

A Po­lí­cia Fe­de­ral ras­tre­ou de­pó­si­tos de US$ 3 mi­lhões em con­tas ban­cá­ri­as na Suí­ça que, se­gun­do as in­ves­ti­ga­ções, fa­zem par­te de um acer­to de pro­pi­na com po­lí­ti­cos do MDB – en­tre eles o se­na­dor Re­nan Ca­lhei­ros – em tro­ca de con­tra­tos na Pe­tro­bras, in­for­ma O Glo­bo.

Edil­son Rodrigues/​Agência Se­na­do


Senador diz que nunca manteve ou se beneficiou de conta bancária no exterior

De acor­do com a PF, a pro­pi­na pas­sou por du­as con­tas con­tro­la­das pe­lo em­pre­sá­rio Wal­ter Fa­ria, do Gru­po Pe­tró­po­lis (Itai­pa­va). O re­la­tó­rio fi­nal da PF, as­si­na­do pe­lo de­le­ga­do Thi­a­go De­la­bary, traz de­ta­lhes so­bre a en­ge­nha­ria fi­nan­cei­ra mon­ta­da pa­ra pa­gar pro­pi­na ao MDB e atri­bui ao se­na­dor o cri­me de cor­rup­ção pas­si­va. Já o em­pre­sá­rio é acu­sa­do de la­va­gem de di­nhei­ro. Am­bos ne­gam en­vol­vi­men­to em ir­re­gu­la­ri­da­des.

O ma­te­ri­al foi en­vi­a­do no úl­ti­mo dia 12 pe­lo mi­nis­tro Ed­son Fa­chin, do Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral (STF), à Pro­cu­ra­do­ria Ge­ral da Re­pú­bli­ca, que ana­li­sa se ofe­re­ce de­nún­cia. Se­gun­do O Glo­bo, a PF tam­bém apon­tou in­dí­ci­os de en­vol­vi­men­to do de­pu­ta­do Aní­bal Go­mes (DEM-​CE) e seu ex-​assessor Luís Car­los Ba­tis­ta Sá, além do ex-​ministro de Mi­nas e Ener­gia Si­las Ron­de­au. Já o se­na­dor Ja­der Bar­ba­lho (MDB-​PA), tam­bém ci­ta­do por de­la­to­res, foi ex­cluí­do por­que os in­ves­ti­ga­do­res não en­con­tra­ram ele­men­tos con­tra ele.
Leia mais

A Po­lí­cia Fe­de­ral pe­diu ao Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral (STF) a que­bra do si­gi­lo te­lefô­ni­co do pre­si­den­te Mi­chel Te­mer e de seus mi­nis­tros mais pró­xi­mos, Eli­seu Pa­di­lha (Ca­sa Ci­vil) e Mo­rei­ra Fran­co (Mi­nas e Ener­gia), re­fe­ren­te ao ano de 2014. A in­for­ma­ção foi da­da em pri­mei­ra mão pe­lo si­te do jor­nal O Glo­bo.

Mar­cos Corrêa/​PR


Segundo O Globo, os investigadores buscam rastrear telefonemas feitos entre eles nas datas próximas das entregas de dinheiro em espécie relatadas por delatores da Odebrecht

Se­gun­do os re­pór­te­res Aguir­re Ta­len­to e Be­la Me­ga­le, o ob­je­ti­vo é apro­fun­dar a in­ves­ti­ga­ção so­bre o pa­ga­men­to de R$ 10 mi­lhões atri­buí­do à Ode­bre­cht a Te­mer. De acor­do com a sus­pei­ta, o re­pas­se foi acer­ta­do em um jan­tar no Pa­lá­cio do Ja­bu­ru, re­si­dên­cia ofi­ci­al de Te­mer, na­que­le ano. Con­for­me a re­por­ta­gem, os in­ves­ti­ga­do­res bus­cam ras­tre­ar te­le­fo­ne­mas fei­tos en­tre eles nas da­tas pró­xi­mas das en­tre­gas de di­nhei­ro em es­pé­cie re­la­ta­das pe­los de­la­to­res da em­prei­tei­ra.
Leia mais

A Po­lí­cia Fe­de­ral de­sau­to­ri­zou, em no­ta, o de­le­ga­do Mil­ton For­na­za­ri Ju­ni­or, da De­le­ga­cia de Com­ba­te à Cor­rup­ção e Cri­mes Fi­nan­cei­ros (De­le­cor) em São Pau­lo, que de­fen­deu pri­são de “ou­tros lí­de­res de viés ide­o­ló­gi­co di­ver­so” do ex-​presidente Lu­la, co­mo “Te­mer, Alck­min, Aé­cio etc”. O pre­si­den­te Mi­chel Te­mer (MDB), o se­na­dor Aé­cio Ne­ves (PSDB) e o ex-​governador Ge­ral­do Alck­min (PSDB) são al­vos de inqué­ri­tos da Ope­ra­ção La­va Ja­to, a mes­ma que le­vou Lu­la à pri­são.

Reprodução/​Wikimapia


Além de destacar que as declarações de Fornazari são de “cunho exclusivamente pessoal”, a PF anunciou a adoção de medidas administrativo-disciplinares em “relação ao caso concreto”

“As de­cla­ra­ções pro­fe­ri­das são de cu­nho ex­clu­si­va­men­te pes­so­al e con­tra­ri­am o nor­ma­ti­vo in­ter­no re­fe­ren­te a ma­ni­fes­ta­ções em no­me da ins­ti­tui­ção”, des­ta­ca o co­mu­ni­ca­do.

Em tex­to pu­bli­ca­do no Fa­ce­bo­ok no úl­ti­mo sá­ba­do (7), en­quan­to o ex-​presidente Lu­la era pre­so, o de­le­ga­do de­fen­deu a pri­são de ou­tras li­de­ran­ças po­lí­ti­cas pa­ra que não pros­pe­re a te­se de que o pe­tis­ta é al­vo de per­se­gui­ção po­lí­ti­ca”.
Leia mais