Arquivos de Reforma Trabalhista

O vice-​presidente pa­ra a Amé­ri­ca La­ti­na da Or­ga­ni­za­ção In­ter­na­ci­o­nal dos Em­pre­ga­do­res (OIE) e pre­si­den­te do Con­se­lho de Re­la­ções do Tra­ba­lho da Con­fe­de­ra­ção Na­ci­o­nal da In­dús­tria (CNI), Ale­xan­dre Fur­lan, cri­ti­cou nes­ta terça-​feira (5) a re­co­men­da­ção de in­clu­são do Bra­sil na lis­ta dos paí­ses sus­pei­tos de vi­o­la­ções de di­rei­tos tra­ba­lhis­tas, de acor­do com o Co­mi­tê de Pe­ri­tos da Or­ga­ni­za­ção In­ter­na­ci­o­nal do Tra­ba­lho (OIT).

Mar­cel­lo Ca­sal Jr./Agência Bra­sil


OIT recomendou inclusão do Brasil na lista dos países suspeitos de violar direitos trabalhistas

Em no­me dos em­pre­sá­ri­os, Fur­lan par­ti­ci­pa em Ge­ne­bra (Suí­ça) de dis­cus­sões so­bre o as­sun­to na Co­mis­são de Apli­ca­ção de Nor­mas. Ele res­sal­tou que, ao su­ge­rir que o Bra­sil apli­que um con­cei­to de ne­go­ci­a­ção co­le­ti­va di­fe­ren­te do que es­tá na Con­ven­ção 98, o Co­mi­tê de Pe­ri­tos mo­di­fi­ca re­gras vi­gen­tes des­de 1949 e afe­ta não ape­nas o Bra­sil, mas to­dos os 165 paí­ses que a ra­ti­fi­ca­ram.
Leia mais

En­ca­mi­nha­da ao Con­gres­so co­mo uma ga­ran­tia, por par­te do go­ver­no Mi­chel Te­mer, de que a po­lê­mi­ca re­for­ma tra­ba­lhis­ta se­ria mo­di­fi­ca­da após sua apro­va­ção, ain­da em 2017, a Me­di­da Pro­vi­só­ria 808/​2017 já che­gou a es­ta se­ma­na sem qual­quer chan­ce de man­ter sua vi­gên­cia a par­tir da pró­xi­ma (ao fi­nal des­ta ma­té­ria, ve­ja o que mu­da­ria na lei com a MP). O tex­to per­de va­li­da­de na segunda-​feira (23) e, pa­ra con­ti­nu­ar va­len­do, de­ve­ria ter si­do apro­va­do em du­as ses­sões ple­ná­ri­as, uma na Câ­ma­ra e ou­tra no Se­na­do, mas es­bar­rou na fal­ta de in­te­res­se da ba­se ali­a­da e em uma dis­pu­ta que opo­si­ci­o­nis­tas clas­si­fi­cam co­mo ar­ti­fi­ci­al, jus­ta­men­te pa­ra im­pe­dir o avan­ço da pau­ta. A con­du­ta dos go­ver­nis­tas me­re­ceu crí­ti­ca até en­tre al­guns de­les.

Jo­sé Cruz/​Agência Bra­sil


Debate abortado: medida provisória ficou longe de passar pela votação de plenário

“É la­men­tá­vel que a me­di­da pro­vi­só­ria não te­nha lo­gra­do êxi­to de ser apro­va­da, por­que era um am­plo acor­do”, dis­se ao Con­gres­so em Fo­co o se­na­dor go­ver­nis­ta Jo­sé Agri­pi­no (RN), que li­de­rou o DEM no Se­na­do por mais de dez anos a par­tir de 2003. “Tu­do o que é acor­da­do, na mi­nha opi­nião, tem que ser cum­pri­do. In­fe­liz­men­te es­sa ma­té­ria não me­re­ceu tra­mi­ta­ção con­gres­su­al que o acor­do re­co­men­da­va. É um fa­to la­men­tá­vel.”
Leia mais

Cin­co me­ses de­pois da apro­va­ção fi­nal da re­for­ma tra­ba­lhis­ta, o pre­si­den­te Mi­chel Te­mer pu­bli­cou, em edi­ção ex­tra­or­di­ná­ria do Diá­rio Ofi­ci­al da União (DOU), uma me­di­da pro­vi­só­ria que pro­mo­ve al­te­ra­ções na no­va le­gis­la­ção so­bre as re­la­ções de tra­ba­lho, em vi­gên­cia de fa­to des­de sá­ba­do (11). Ao su­ge­rir as mu­dan­ças ao Con­gres­so por meio de MP (ve­ja os pon­tos abai­xo), Te­mer con­tra­ria o pre­si­den­te da Câ­ma­ra, Ro­dri­go Maia (DEM-​RJ), que ha­via pe­di­do ao go­ver­no um pro­je­to de lei pa­ra mu­dar pon­tos con­tes­ta­dos da lei, san­ci­o­na­da em 13 de ju­lho. Já o pre­si­den­te do Se­na­do, Eu­ní­cio Oli­vei­ra (PMDB-​CE), que tem a atri­bui­ção de re­ce­ber – e o po­der de de­vol­ver, co­mo pre­si­den­te tam­bém do Con­gres­so – me­di­das pro­vi­só­ri­as, posicionou-​se a fa­vor da de­ci­são do Pa­lá­cio do Pla­nal­to.

An­to­nio Cruz/​Agência Bra­sil


Maia dispara contra a nova medida provisória de Temer: “Estão errando muito”

Te­mer se reu­niu com Maia nes­ta terça-​feira (14) e lhe dis­se que, à épo­ca das ne­go­ci­a­ções com os se­na­do­res, te­ve que se com­pro­me­ter com o en­vio de uma me­di­da pro­vi­só­ria ao Con­gres­so, pois do con­trá­rio não te­ria con­se­gui­do apro­var a ma­té­ria em tem­po há­bil – re­ple­to de po­lê­mi­cas, o tex­to en­fren­tou re­sis­tên­cia de par­la­men­ta­res li­ga­dos à cau­sa tra­ba­lhis­ta e po­de­ria ter re­tor­na­do à aná­li­se da Câ­ma­ra, atra­pa­lhan­do os pla­nos do go­ver­no. A par­tir de ago­ra, avi­sou Maia, a ques­tão pas­sa­rá a ser tra­ta­da por uma ba­se ali­a­da que pres­si­o­na por mais es­pa­ço no go­ver­no e di­an­te do de­sem­bar­que emi­nen­te do PSDB, que já en­tre­gou um mi­nis­té­rio on­tem (se­gun­da, 13).
Leia mais

O juiz do Tra­ba­lho Jo­sé Cai­ro Jú­ni­or, da 3ª Va­ra de Ilhéus (BA), con­de­nou um tra­ba­lha­dor por li­ti­gân­cia de má-​fé, ca­sos em que uma das par­tes de um pro­ces­so li­ti­ga in­ten­ci­o­nal­men­te com des­le­al­da­de, e com ba­se nes­sa de­ci­são re­ti­rou o di­rei­to do re­cla­man­te à jus­ti­ça gra­tui­ta. A de­ci­são foi pro­fe­ri­da já com ba­se na no­va lei tra­ba­lhis­ta, que en­trou em vi­gor no úl­ti­mo sá­ba­do (11).

Re­pro­du­ção


O juiz da Bahia condenou o trabalhador por litigância de má-fé

“Sen­do as­sim, reputa-​se o re­cla­man­te li­ti­gan­te de má fé, condenando-​o ao pa­ga­men­to de uma in­de­ni­za­ção por da­nos mo­rais, ora fi­xa­da em 5% so­bre o va­lor da cau­sa, ou se­ja, R$2.500,00, em con­for­mi­da­de com o art. 793-​C, II, do CPC”, diz o juiz em sua de­ci­são da­ta­da exa­ta­men­te do dia 11 de no­vem­bro, dia em que a no­va lei co­me­çou a va­ler em to­do o país.
Leia mais

En­trou em vi­gor nes­te sá­ba­do (11) a re­for­ma tra­ba­lhis­ta, apro­va­da em ju­lho des­te ano. As no­vas re­gras al­te­ram a le­gis­la­ção atu­al e tra­zem no­vas de­fi­ni­ções so­bre pon­tos co­mo fé­ri­as, jor­na­da de tra­ba­lho e a re­la­ção com sin­di­ca­tos das ca­te­go­ri­as. Ao to­do, fo­ram al­te­ra­dos mais de 100 ar­ti­gos da Con­so­li­da­ção das Leis do Tra­ba­lho (CLT) e cri­a­das du­as mo­da­li­da­des de con­tra­ta­ção: tra­ba­lho in­ter­mi­ten­te (por jor­na­da ou ho­ra de ser­vi­ço) e a do te­le­tra­ba­lho, cha­ma­do ho­me of­fi­ce (tra­ba­lho à dis­tân­cia).

Re­pro­du­ção


Nova lei trabalhista começou a valer neste sábado (11)

A no­va le­gis­la­ção tra­ba­lhis­ta se apli­ca a to­das as ca­te­go­ri­as re­gi­das pe­la CLT e tam­bém àque­las que dis­põem de le­gis­la­ções es­pe­cí­fi­cas – co­mo tra­ba­lha­do­res do­més­ti­cos, atle­tas pro­fis­si­o­nais, ae­ro­nau­tas, ar­tis­tas, ad­vo­ga­dos e mé­di­cos – no que for per­ti­nen­te. “Nes­se úl­ti­mo ca­so, no en­tan­to, é im­por­tan­te ob­ser­var se a nor­ma pró­pria da pro­fis­são é omis­sa com re­la­ção ao pon­to a ser apli­ca­da a CLT; se trata-​se de al­go com­pa­tí­vel; bem co­mo se não há dis­po­si­ção di­ver­sa”, ex­pli­ca Car­los Edu­ar­do Am­bi­el, ad­vo­ga­do tra­ba­lhis­ta e pro­fes­sor de Di­rei­to do Tra­ba­lho da FAAP (Fun­da­ção Ar­man­do Al­va­res Pen­te­a­do), em São Pau­lo.
Leia mais

Cen­trais sin­di­cais con­vo­ca­ram ma­ni­fes­ta­ções em di­ver­sas ci­da­des do país nes­ta sexta-​feira (10) pa­ra pro­tes­tar con­tra a re­for­ma tra­ba­lhis­ta, que en­tra em vi­gor ape­nas nes­te sá­ba­do (11), e a re­for­ma da Pre­vi­dên­cia, que o go­ver­no ten­ta le­var adi­an­te no Con­gres­so.

Di­vul­ga­ção


Trabalhadores de várias categorias fazem manifestações contra Reforma Trabalhista

São Paulo

A con­cen­tra­ção em São Pau­lo es­ta­va mar­ca­da pa­ra co­me­çar às 9h30 na pra­ça da Sé, no cen­tro da ci­da­de. A pre­vi­são era ca­mi­nhar até a ave­ni­da Pau­lis­ta, mas hou­ve di­ver­gên­cia en­tre as en­ti­da­des sin­di­cais.

O ato na Sé ter­mi­nou por vol­ta das 11h45. Uma par­te dos ma­ni­fes­tan­tes de­ci­diu man­ter o per­cur­so até a Pau­lis­ta, acom­pa­nhan­do um car­ro de som do Sin­pe­em (Sin­di­ca­to dos Pro­fis­si­o­nais em Edu­ca­ção no En­si­no Mu­ni­ci­pal de São Pau­lo). Por vol­ta das 13h10, o gru­po se con­cen­tra­va em fren­te ao Masp (Mu­seu de Ar­te de São Pau­lo).
Leia mais

Em que pe­se a emi­nen­te en­tra­da em vi­gor da Re­for­ma Tra­ba­lhis­ta, que al­te­ra inú­me­ras re­gras da re­la­ção de tra­ba­lho, a Con­ven­ção Co­le­ti­va de Tra­ba­lho 2017/​2018, de­ve ser res­pei­ta­da e apli­ca­da em sua ín­te­gra.

Por opor­tu­no, des­ta­ca­mos os prin­ci­pais pon­tos que fo­ram mu­da­dos pe­la Re­for­ma Tra­ba­lhis­ta, mas que de­vem con­ti­nu­ar res­pei­tan­do a Con­ven­ção Co­le­ti­va de Tra­ba­lho:

A. Cláu­su­la 11ª – Ho­ras ex­tras e com­pen­sa­ção: di­fe­ren­te­men­te do que pre­vê o no­vo § 5º, do ar­ti­go 59, da CLT, que o ban­co de ho­ras po­de­rá ser pac­tu­a­do por acor­do in­di­vi­du­al es­cri­to, a Con­ven­ção Co­le­ti­va de Tra­ba­lho faz exi­gên­cia da for­ma­li­za­ção de acor­do co­le­ti­vo com o sin­di­ca­to;
Leia mais

Du­ran­te a reu­nião da Co­mis­são de Cons­ti­tui­ção, Jus­ti­ça e Ci­da­da­nia (CCJ) nes­ta quarta-​feira (28), que ana­li­sa o pro­je­to da re­for­ma tra­ba­lhis­ta (PLC 38/​2017), o lí­der do go­ver­no no Se­na­do, se­na­dor Ro­me­ro Ju­cá (PMDB-​RR), leu car­ta en­vi­a­da pe­lo pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca aos se­na­do­res. No do­cu­men­to, Mi­chel Te­mer pe­de apoio e ga­ran­te que cum­pri­rá o acor­do de ve­tar, ou re­gu­la­men­tar por meio de me­di­da pro­vi­só­ria, os pon­tos po­lê­mi­cos da pro­pos­ta que fo­ram al­vo de inú­me­ras emen­das de se­na­do­res.

Pe­dro França/​Agência Se­na­do


Líder do governo, Jucá leu (à dir.) a carta na CCJ do Senado

“Que­ro aqui re­a­fir­mar o com­pro­mis­so de que os pon­tos tra­ta­dos co­mo ne­ces­sá­ri­os pa­ra os ajus­tes e co­lo­ca­dos ao lí­der do go­ver­no, se­na­dor Ro­me­ro Ju­cá, e à equi­pe da Ca­sa Ci­vil, se­rão as­su­mi­dos pe­lo go­ver­no, se es­ta for a de­ci­são fi­nal do Se­na­do da Re­pú­bli­ca. Re­pu­to es­se en­ten­di­men­to co­mo fun­da­men­tal pa­ra me­lho­rar a vi­da de mi­lhões e mi­lhões de bra­si­lei­ras e bra­si­lei­ros e sem­pre es­ta­rei aber­to ao diá­lo­go e ao en­ten­di­men­to, ve­to­res fun­da­men­tais pa­ra o for­ta­le­ci­men­to da de­mo­cra­cia no nos­so Bra­sil”, diz o pre­si­den­te na car­ta li­da por Ju­cá.
Leia mais

Fo­ram mais de 13 ho­ras de dis­cus­sões até a pro­cla­ma­ção do re­sul­ta­do, pou­co de­pois das 23h des­ta quarta-​feira (28). Foi um dia de ten­são en­tre os se­na­do­res, com di­rei­to a mui­ta tro­ca de acu­sa­ções en­tre opo­si­ci­o­nis­tas e mem­bros da ba­se, lei­tu­ra de seis vo­tos em se­pa­ra­do (tex­tos al­ter­na­ti­vos), dis­cur­so do ago­ra ex-​líder do PMDB Re­nan Ca­lhei­ros (AL) con­tra o go­ver­no e até lei­tu­ra de car­ta em que o pre­si­den­te Mi­chel Te­mer se com­pro­me­te a ve­tar pon­tos po­lê­mi­cos da pro­pos­ta.

Re­pro­du­ção


Placar expõe o resultado pouco antes da meia-noite desta quinta-feira (29)

Ao fi­nal, vi­tó­ria do go­ver­no por 16 vo­tos a 9, com uma abs­ten­ção. Úl­ti­ma ba­ta­lha en­tre ba­se e opo­si­ção se da­rá em ple­ná­rio, em meio à mais gra­ve cri­se en­fren­ta­da pe­la ges­tão pe­e­me­de­bis­ta.
Leia mais

Por 16 vo­tos a 9, com uma abs­ten­ção, a Co­mis­são de Cons­ti­tui­ção e Jus­ti­ça (CCJ) do Se­na­do apro­vou há pou­co a ad­mis­si­bi­li­da­de do Pro­je­to de Lei 38/​2017, que pro­mo­ve a re­for­ma tra­ba­lhis­ta pa­tro­ci­na­da pe­lo go­ver­no Mi­chel Te­mer, em meio à pi­or cri­se de sua ges­tão, e al­te­ra di­ver­sos pon­tos da Con­so­li­da­ção das Leis do Tra­ba­lho (CLT). Fo­ram mais de 13 ho­ras de de­ba­tes em um dia de ten­são en­tre os se­na­do­res, com di­rei­to a mui­ta tro­ca de acu­sa­ções en­tre opo­si­ci­o­nis­tas e mem­bros da ba­se, lei­tu­ra de seis vo­tos em se­pa­ra­do (tex­tos al­ter­na­ti­vos), dis­cur­so do ago­ra ex-​líder do PMDB Re­nan Ca­lhei­ros (AL) con­tra o go­ver­no e até lei­tu­ra de car­ta em que Te­mer se com­pro­me­te a ve­tar pon­tos po­lê­mi­cos da pro­pos­ta (ve­ja a lis­ta abai­xo). A reu­nião da CCJ te­ve iní­cio às 10h10 des­ta quarta-​feira (28) e qua­se ter­mi­nou no dia se­guin­te, às 23h20. Tex­to se­gue pa­ra o ple­ná­rio e, ca­so se­ja no­va­men­te apro­va­do, vai à san­ção pre­si­den­ci­al.

Ro­que de Sá/​Agência Se­na­do


Reunião na CCJ durou mais de 13 horas nesta quarta-feira (28/06)

De­pois de re­jei­ta­dos des­ta­ques apre­sen­ta­dos pe­la opo­si­ção, a mai­o­ria go­ver­nis­ta na CCJ ain­da impôs a apro­va­ção do re­gi­me de ur­gên­cia ao pro­je­to, conferindo-​lhe ca­rá­ter de pri­o­ri­da­de na pau­ta de ple­ná­rio, on­de se­rá vo­ta­do na pró­xi­ma quarta-​feira (5/​jul). A ur­gên­cia tam­bém im­pe­de que a ma­té­ria re­tor­ne à co­mis­são pa­ra apre­ci­a­ção de even­tu­ais emen­das, tor­nan­do o ple­ná­rio o pal­co pa­ra tal ti­po de de­li­be­ra­ção. Ao fim da ma­no­bra go­ver­nis­ta, a opo­si­ção vol­tou a pro­tes­tar, ale­gan­do que o pro­ce­di­men­to não ha­via si­do acor­da­do e exi­gin­do ve­ri­fi­ca­ção de vo­tos, mas o pre­si­den­te da CCJ, Edi­son Lo­bão (PMDB-​MA), apressou-​se em en­cer­rar a reu­nião.
Leia mais