Arquivos de Saúde

O pre­si­den­te Mi­chel Te­mer (MDB) foi às re­des so­ci­ais pa­ra mi­ni­mi­zar os pro­ble­mas de­cor­ren­tes do en­cer­ra­men­to da par­ti­ci­pa­ção de Cu­ba no Pro­gra­ma Mais Mé­di­cos. Em ví­deo vei­cu­la­do em sua con­ta no Twit­ter (ví­deo abai­xo) nes­ta segunda-​feira (26), o eme­de­bis­ta dis­se que seu su­ces­sor, Jair Bol­so­na­ro (PSL), não te­rá pro­ble­mas no se­tor de aten­di­men­to bá­si­co de saú­de – o Con­se­lho Na­ci­o­nal de Se­cre­ta­ri­as Mu­ni­ci­pais de Saú­de es­ti­ma que, com a saí­da de mais de 8 mil mé­di­cos cu­ba­nos do país até o fim do ano, 611 ci­da­des cor­rem o ris­co de fi­car de­sas­sis­ti­das.

Reprodução/​Twitter


Temer chamou Gilberto Occhi para celebrar "rapidez" na substituição dos médicos cubanos no Mais Médicos

“Te­nho a in­for­ma­ção de que mais de oi­to mil e du­zen­tos mé­di­cos já fo­ram se­le­ci­o­na­dos, e es­tão fa­zen­do as in­di­ca­ções pa­ra os mu­ni­cí­pi­os aon­de pre­ten­dem pres­tar es­se ser­vi­ço. Ve­jam que nós não va­mos dei­xar es­se pro­ble­ma pa­ra o pró­xi­mo go­ver­no. Es­ta­mos re­sol­ven­do, nes­te mo­men­to, um pro­ble­ma que an­gus­tia to­da a po­pu­la­ção bra­si­lei­ra, es­pe­ci­al­men­te a po­pu­la­ção dos mu­ni­cí­pi­os bra­si­lei­ros”, dis­cur­sou Te­mer, ao la­do do mi­nis­tro da Saú­de, Gil­ber­to Oc­chi.
Leia mais

Um dos pro­ce­di­men­tos re­a­li­za­dos pa­ra sal­var o pre­si­den­ciá­vel Jair Bol­so­na­ro (PSL) na San­ta Ca­sa de Mi­se­ri­cór­dia de Juiz de Fo­ra, mu­ni­cí­pio mi­nei­ro pal­co do aten­ta­do que qua­se ma­tou o de­pu­ta­do, não re­ce­be atu­a­li­za­ção em seu re­pas­se há mais de dez anos. Ou­tras ope­ra­ções re­a­li­za­das pe­la ins­ti­tui­ção au­men­ta­ram seu va­lor de res­ti­tui­ção, mas em nú­me­ros bem abai­xo da in­fla­ção. O as­sun­to ga­nhou al­gu­ma re­per­cus­são após o aten­ta­do, mas pou­cas pro­pos­tas prá­ti­cas sur­gi­ram des­de en­tão. Ape­sar das di­fi­cul­da­des, o hos­pi­tal juiz-​forano ga­ran­te que reu­nia con­di­ções pa­ra a re­cu­pe­ra­ção do can­di­da­to, que ho­je se re­cu­pe­ra.

Divulgação/​SCJF


Santa Casa de Juiz de Fora completou 164 anos em 6 de agosto

O úl­ti­mo con­tra­to dis­po­ní­vel da San­ta Ca­sa de Mi­se­ri­cór­dia com a Pre­fei­tu­ra de Juiz de Fo­ra, es­ta­be­le­ci­do em ou­tu­bro de 2017, pre­vê o re­pas­se de R$ 46.690.328,16 anu­ais pa­ra a ins­ti­tui­ção. Den­tro des­te va­lor, enquadra-​se cer­ca de 14 mi­lhões de re­ais nos cha­ma­dos pro­ce­di­men­tos de “al­ta com­ple­xi­da­de hos­pi­ta­lar”, co­mo o ca­so de Jair Bol­so­na­ro. Os va­lo­res in­di­vi­du­ais por pro­ce­di­men­to são pre­vis­tos pe­lo Da­ta­SUS, e pa­ra a prin­ci­pal ci­rur­gia re­a­li­za­da no can­di­da­to são es­ta­be­le­ci­dos R$ 367,06 pe­la ope­ra­ção, a se­rem di­vi­di­dos pe­los res­pon­sá­veis, e R$1.090,80 pa­ra a San­ta Ca­sa de Mi­se­ri­cór­dia. Em 2017, 72% dos ser­vi­ços pres­ta­dos pe­la ins­ti­tui­ção aten­de­ram ao SUS.
Leia mais

Se­na­do­res apro­va­ram em ple­ná­rio nes­ta terça-​feira (7) o pro­je­to de lei da Câ­ma­ra que as­se­gu­ra aten­di­men­to via Sis­te­ma Úni­co de Saú­de (SUS) pa­ra pes­so­as em si­tu­a­ção de vul­ne­ra­bi­li­da­de ou ris­co so­ci­al, co­mo mo­ra­do­res de rua, sem a ne­ces­si­da­de de com­pro­va­ção de re­si­dên­cia. En­ca­mi­nha­do à san­ção pre­si­den­ci­al, o PLC 112/​2014 tem en­tre seus pro­pó­si­tos fa­vo­re­cer o aces­so da po­pu­la­ção de rua a me­di­ca­men­tos, eli­mi­nan­do exi­gên­ci­as bu­ro­crá­ti­cas co­mo o re­gis­tro de en­de­re­ço a quem se­quer tem on­de mo­rar.

Wal­de­mir Barreto/​Agência Se­na­do


Texto aprovado em plenário segue para sanção presidencial

Ini­ci­a­ti­va con­jun­ta de de­pu­ta­dos de di­ver­sos par­ti­dos, co­mo Be­ne­di­ta da Sil­va (PT-​RJ) e An­to­nio Bri­to (PSD-​BA), a ma­té­ria for­mu­la iden­ti­fi­ca­ção vi­su­al pa­ra o Sis­te­ma Úni­co de As­sis­tên­cia So­ci­al (Su­as). Du­ran­te a tra­mi­ta­ção, o PLC re­ce­beu emen­da de re­da­ção jus­ta­men­te pa­ra fa­ci­li­tar o aten­di­men­to do SUS a mo­ra­do­res de rua, que cos­tu­ma ser aco­lhi­dos por ins­ti­tui­ções fi­lan­tró­pi­cas.
Leia mais

A Fe­bre Ama­re­la é uma do­en­ça in­fec­ci­o­sa gra­ve cau­sa­da por ví­rus e trans­mi­ti­da por pi­ca­das de mos­qui­tos. Ge­ral­men­te há um au­men­to de ca­sos no pe­río­do en­tre de­zem­bro e maio. Mui­tas ve­zes, quem con­trai o ví­rus não che­ga a apre­sen­tar sin­to­mas ou os mes­mos são mui­to fra­cos. As pri­mei­ras ma­ni­fes­ta­ções da do­en­ça são re­pen­ti­nas: fe­bre al­ta, ca­la­fri­os, can­sa­ço, dor de ca­be­ça, dor mus­cu­lar, náu­se­as e vô­mi­tos por cer­ca de três di­as.

Di­vul­ga­ção

A for­ma mais gra­ve da do­en­ça é ra­ra e cos­tu­ma apa­re­cer após um bre­ve pe­río­do de bem-​estar (até dois di­as), quan­do po­dem ocor­rer in­su­fi­ci­ên­ci­as he­pá­ti­ca e re­nal, ic­te­rí­cia (olhos e pe­le ama­re­la­dos), ma­ni­fes­ta­ções he­mor­rá­gi­cas e can­sa­ço in­ten­so. A mai­o­ria dos in­fec­ta­dos se re­cu­pe­ra bem e ad­qui­re imu­ni­za­ção per­ma­nen­te con­tra a fe­bre ama­re­la.
Leia mais