Arquivos de Senado

A Co­mis­são de Cons­ti­tui­ção e Jus­ti­ça (CCJ) apro­vou nes­ta quarta-​feira (22), por 20 vo­tos a 1, um re­la­tó­rio fa­vo­rá­vel a um pro­je­to de lei que cri­mi­na­li­za a ho­mo­fo­bia. A pro­pos­ta, de au­to­ria do se­na­dor We­ver­ton (PDT-​MA), in­clui a dis­cri­mi­na­ção por ori­en­ta­ção se­xu­al ou iden­ti­da­de de gê­ne­ro na Lei 7716/​89, que ti­pi­fi­ca o cri­me de ra­cis­mo. A co­mis­são apro­vou o re­la­tó­rio do se­na­dor Ales­san­dro Vi­ei­ra (Cidadania-​SE) que é fa­vo­rá­vel ao tex­to.

Ge­ral­do Magela/​Agência Se­na­do


Audiência pública sobre LGBTIfobia na Comissão de Direitos Humanos do Senado

O pro­je­to é ter­mi­na­ti­vo, ou se­ja, de­ve­rá ir di­re­ta­men­te pa­ra aná­li­se da Câ­ma­ra, sal­vo se al­gum se­na­dor apre­sen­tar um re­cur­so pa­ra que a pro­pos­ta se­ja le­va­da ao ple­ná­rio. A lei atu­al ti­pi­fi­ca os cri­mes “re­sul­tan­tes de pre­con­cei­to de ra­ça ou de cor”. A re­da­ção pro­pos­ta pe­lo Se­na­do am­plia o es­co­po da cri­mi­na­li­za­ção pa­ra “ra­ça, cor, et­nia, re­li­gião, pro­ce­dên­cia na­ci­o­nal, se­xo, ori­en­ta­ção se­xu­al ou iden­ti­da­de de gê­ne­ro”.
Leia mais

O pre­si­den­te do Se­na­do, Da­vi Al­co­lum­bre (DEM-​AP), pe­diu que o cor­re­ge­dor da Ca­sa, se­na­dor Ro­ber­to Ro­cha (PSDB-​MA), apu­re a frau­de na elei­ção da Me­sa Di­re­to­ra, no úl­ti­mo sá­ba­do (2). Em­bo­ra es­ti­ves­sem pre­sen­tes os 81 se­na­do­res, na ur­na de vo­ta­ção, fo­ram co­lo­ca­dos 82 vo­tos na elei­ção pa­ra a pre­si­dên­cia da Ca­sa.

Ja­ne de Araújo/​Agência Se­na­do



Leia mais

De­pois da der­ro­ta de Re­nan Ca­lhei­ros (MDB-​AL) pa­ra Da­vi Al­co­lum­bre (DEM-​AP) na dis­pu­ta pe­lo co­man­do do Se­na­do, o MDB de 13 re­pre­sen­tan­tes ve­rá seu rei­na­do de 16 anos à fren­te dos tra­ba­lhos re­du­zi­do a um pos­to se­cun­dá­rio na Me­sa Di­re­to­ra: a 2ª Se­cre­ta­ria, cu­jo se­na­dor ti­tu­lar tem en­tre su­as fun­ções la­vrar atas de ses­sões se­cre­tas. Foi o que fi­cou de­ci­di­do nes­ta terça-​feira (5), em reu­nião de lí­de­res, na pri­mei­ra ro­da­da de ne­go­ci­a­ções pa­ra a com­po­si­ção dos prin­ci­pais car­gos da Ca­sa.

Fá­bio Ro­dri­gues Pozzebom/​Agência Bra­sil


Quatro vezes presidente do Senado, Renan viu seu império ruir com a vitória do candidato governista

Se­gun­do o en­ten­di­men­to das li­de­ran­ças, o PSDB (8 no­mes) te­rá o se­gun­do pos­to mais im­por­tan­te da Ca­sa, a 1ª Vice-​Presidência – e, nes­se ca­so, des­pon­ta co­mo no­me for­te pa­ra o pos­to o se­na­dor tu­ca­no Tas­so Je­reis­sa­ti (CE), de­sa­fe­to de Re­nan e um dos ar­ti­cu­la­do­res do le­van­te anti-​MDB, com a ban­dei­ra da “no­va po­lí­ti­ca”, du­ran­te as du­as tu­mul­tu­a­das ses­sões ple­ná­ri­as pa­ra ele­ger o pre­si­den­te do Se­na­do no bi­ê­nio 2019-​2020.
Leia mais

O ven­ce­dor da dis­pu­ta mais acir­ra­da da his­tó­ria do Se­na­do é um ho­mem pou­co pro­pen­so a fa­zer de­cla­ra­ções pú­bli­cas, mas mui­to ati­vo nas ar­ti­cu­la­ções po­lí­ti­cas. De­pois de qua­tro anos de man­da­to lon­ge dos ho­lo­fo­tes, Da­vi Al­co­lum­bre (DEM-​AP) é ago­ra o che­fe do Con­gres­so, o ter­cei­ro na li­nha da su­ces­são pre­si­den­ci­al, o se­na­dor que der­ro­tou o MDB, par­ti­do que pre­si­diu a Ca­sa em 30 dos 34 anos da no­va Re­pú­bli­ca. Se­rá lem­bra­do da­qui em di­an­te co­mo o par­la­men­tar que impôs a Re­nan Ca­lhei­ros (MDB-​AL), que pos­tu­la­va a pre­si­dên­cia pe­la quin­ta vez, sua mai­or der­ro­ta elei­to­ral.

Fá­bio Ro­dri­gues Pozzebom/​Agência Bra­sil


Davi, ao centro, comemora sua eleição com aliados de vários partidos

“Da­vi não é Da­vi. Da­vi é Go­li­as. É o no­vo pre­si­den­te do Se­na­do e eu re­ti­ro mi­nha can­di­da­tu­ra”, dis­se o se­na­dor ala­go­a­no em tom de pro­tes­to, ao sair da dis­pu­ta na tar­de des­te sá­ba­do (2), quan­do per­ce­beu que se­ria der­ro­ta­do mes­mo com a vo­ta­ção se­cre­ta pe­la qual tan­to lu­tou.

Na pre­si­dên­cia em exer­cí­cio do Se­na­do, por ter si­do o úni­co re­ma­nes­cen­te da Me­sa Di­re­to­ra an­te­ri­or em meio de man­da­to, Al­co­lum­bre usou o mi­cro­fo­ne nes­sa sex­ta (1º) por mais tem­po do que em to­dos os seus qua­tro anos an­te­ri­o­res na Ca­sa. Des­de fe­ve­rei­ro de 2015, dis­cur­sou ape­nas se­te ve­zes, con­for­me os re­gis­tros ofi­ci­ais. Em três opor­tu­ni­da­des pa­ra de­fen­der o im­pe­a­ch­ment da en­tão pre­si­den­te Dil­ma.
Leia mais

Davi Alcolumbre vence Renan e é o novo presidente do Senado

segunda-feira, 4 de fevereiro de 2019 07:50 Notícias

O se­na­dor Da­vi Al­co­lum­bre (DEM-​AP) é o no­vo pre­si­den­te do Se­na­do. Ele se ele­geu em pri­mei­ro tur­no, nes­te sá­ba­do (2), após re­ce­ber 42 vo­tos. Um a mais do que os 41 exi­gi­dos pa­ra que não hou­ves­se se­gun­do tur­no. Es­sa foi a elei­ção mais acir­ra­da da his­tó­ria da Ca­sa des­de a re­de­mo­cra­ti­za­ção. A dis­pu­ta, ini­ci­a­da ain­da nes­sa sexta-​feira (1º), foi mar­ca­da por um cer­co de se­na­do­res de vá­ri­os par­ti­dos con­tra Re­nan Ca­lhei­ros (MDB-​AL), que re­nun­ci­ou à sua can­di­da­tu­ra no fim da tar­de, ale­gan­do dis­cor­dân­ci­as com o pro­ces­so elei­to­ral.

Mar­cos Oliveira/​Agência Se­na­do


Aos 41 anos, Alcolumbre impôs derrota histórica a Renan e ao MDB

De­pois de qua­tro anos de atu­a­ção tí­mi­da no Se­na­do, Da­vi Al­co­lum­bre se agi­gan­tou di­an­te de Re­nan, que che­gou a chamá-​lo, de ma­nei­ra irô­ni­ca, de “Go­li­as”, em re­fe­rên­cia aos dois per­so­na­gens bí­bli­cos, e de­ve co­man­dar a Ca­sa pe­los pró­xi­mos dois anos Foi ne­ces­sá­ria a re­a­li­za­ção de du­as vo­ta­ções se­cre­tas, em cé­du­las de pa­pel, pa­ra que o no­vo pre­si­den­te fos­se co­nhe­ci­do.
Leia mais

A lí­der do MDB no Se­na­do, Si­mo­ne Te­bet (MS), in­for­mou nes­ta terça-​feira (22) ao se­na­dor Re­nan Ca­lhei­ros (MDB-​AL) que dis­pu­ta­rá, den­tro da ban­ca­da, a in­di­ca­ção do par­ti­do à pre­si­dên­cia da Ca­sa. Em­bo­ra ne­gue pu­bli­ca­men­te a in­ten­ção de vol­tar ao car­go, Re­nan ar­ti­cu­la sua can­di­da­tu­ra nos bas­ti­do­res.

Ro­ber­to Cas­tel­lo


"Agora estou livre para pedir voto", diz Simone após conversa com Renan

Os dois con­ver­sa­ram por te­le­fo­ne. “Ago­ra es­tou li­vre pa­ra pe­dir vo­to na ban­ca­da. Fal­ta­va ofi­ci­a­li­zar pa­ra ele e o Ro­me­ro Ju­cá [pre­si­den­te da le­gen­da]”, dis­se a se­na­do­ra ao Con­gres­so em Fo­co. Se­gun­do ela, Re­nan re­a­giu com na­tu­ra­li­da­de ao sa­ber de sua in­ten­ção. “Ele não po­de­ria re­a­gir di­fe­ren­te. To­dos têm di­rei­to a in­di­car um no­me. Is­so faz par­te do pro­ces­so”, com­ple­tou.
Leia mais

O Po­de­mos lan­çou nes­ta terça-​feira (22) a can­di­da­tu­ra do se­na­dor Al­va­ro Di­as (PR) à pre­si­dên­cia do Se­na­do. A si­gla tam­bém de­ci­diu apoi­ar o vo­to aber­to na dis­pu­ta pe­lo co­man­do da Ca­sa e da Câ­ma­ra. “Pa­ra o par­ti­do, a trans­pa­rên­cia de­ve pre­va­le­cer em to­dos os atos do po­der pú­bli­co, prin­ci­pal­men­te, em res­pei­to ao di­rei­to cons­ti­tu­ci­o­nal do elei­to­ra­do bra­si­lei­ro de sa­ber co­mo vo­tam seus re­pre­sen­tan­tes elei­tos”, afir­ma o Po­de­mos em no­ta.

Mar­cos Oliveira/​Agência Se­na­do


Alvaro disputou a Presidência da República em 2018, mas ficou na nona colocação

Se­gun­do o Po­de­mos, a can­di­da­tu­ra de Al­va­ro re­ce­beu o apoio de 96% dos 110 mil fi­li­a­dos con­sul­ta­dos. “Em res­pei­to a es­sa ex­pres­si­va vo­ta­ção, o Po­de­mos apre­sen­ta e apoia a can­di­da­tu­ra do se­na­dor Al­va­ro Di­as, par­la­men­tar com ex­pe­ri­ên­cia e tra­je­tó­ria exem­plar, que o cre­den­ci­am pa­ra le­var adi­an­te na Ca­sa Le­gis­la­ti­va as prin­ci­pais pau­tas pa­ra a re­cu­pe­ra­ção e o de­sen­vol­vi­men­to do Bra­sil”, ale­ga a le­gen­da.
Leia mais

O se­na­dor Re­nan Ca­lhei­ros (MDB-​AL) ata­cou nes­ta terça-​feira (15) o pro­cu­ra­dor da Re­pú­bli­ca Del­tan Dal­lag­nol, co­or­de­na­dor da força-​tarefa da Ope­ra­ção La­va em Cu­ri­ti­ba. “Del­tan Dal­lag­nol con­ti­nua a pro­fe­rir pa­la­vras dé­beis, va­zia, a jul­gar sem isen­ção e com in­te­res­se po­lí­ti­co, co­mo um ser pos­suí­do”, es­cre­veu o pré-​candidato à pre­si­dên­cia do Se­na­do.

Ge­ral­do Magella/​Agência Se­na­do


Coordenador da Lava Jato considera que voto secreto favorece Renan e prejudica o combate à corrupção

De­sa­fe­to de Re­nan, o ex-​procurador-​geral da Re­pú­bli­ca Ro­dri­go Ja­not iro­ni­zou a pos­ta­gem do eme­de­bis­ta, al­vo de 13 in­ves­ti­ga­ções no Su­pre­mo, a mai­or par­te de­las re­la­ci­o­na­da à pró­pria La­va Ja­to. “Só rin­do mes­mo e al­to! Pi­a­dis­ta es­sa pes­soa”, re­a­giu Ja­not ao co­men­tá­rio.
Leia mais

O se­na­dor Re­nan Ca­lhei­ros (MDB-​AL) usou a grá­fi­ca do Se­na­do pa­ra im­pri­mir um li­vro com 489 pá­gi­nas em que de­fen­de sua bi­o­gra­fia e apre­sen­ta “re­fle­xões que a gran­de mí­dia não vê ou pre­fe­re não ver”. A pu­bli­ca­ção foi dis­tri­buí­da nos ga­bi­ne­tes dos se­na­do­res e de­pu­ta­dos e a par­la­men­ta­res elei­tos que as­su­mi­rão em 1º de fe­ve­rei­ro. Em­bo­ra ne­gue pu­bli­ca­men­te que se­rá can­di­da­to à pre­si­dên­cia da Ca­sa, car­go que já ocu­pou por três ve­zes, Re­nan ar­ti­cu­la nos bas­ti­do­res a sua can­di­da­tu­ra.

Aman­da Almeida/​O Glo­bo


Renan é retratado como "senador moderno" e vítima de perseguições em livro impresso pelo Senado que ele mesmo assina

“Nes­te li­vro vo­cê irá se de­pa­rar, aqui e ali, com fa­tos, re­la­tos e re­fle­xões que a gran­de mí­dia não vê ou pre­fe­re não ver. Coloco-​as à dis­po­si­ção e ao juí­zo do lei­tor. Es­pe­ro que o aju­de a com­pre­en­der de­ci­sões e ati­tu­des que to­mei e as con­sequên­ci­as de­las ad­vin­das”, diz o se­na­dor na in­tro­du­ção de De­mo­cra­cia Di­gi­tal. “Sirva-​se do li­vro. Leia-​o nas fé­ri­as e bom pro­vei­to”, su­ge­re na apre­sen­ta­ção.
Leia mais

Ao me­nos 17 se­na­do­res, elei­tos e em exer­cí­cio, de­vem for­mar gru­po de opo­si­ção ao go­ver­no de Jair Bol­so­na­ro (PSL). Um dos lí­de­res do mo­vi­men­to, o se­na­dor Ran­dol­fe Ro­dri­gues (Rede-​AP) diz pre­fe­rir não cha­mar a ini­ci­a­ti­va de “blo­co”. O con­gres­sis­ta afir­mou ao Con­gres­so em Fo­co que não se­rá fei­ta “nem ade­são au­to­má­ti­ca, nem opo­si­ção sis­te­má­ti­ca”.

Mar­cos Oliveira/​Agência Se­na­do


Grupo dialogará com o governo como forma de manter a independência, diz Randolfe

Se­gun­do Ran­dol­fe, o gru­po di­a­lo­ga­rá com o go­ver­no co­mo for­ma de man­ter a in­de­pen­dên­cia. Pe­las con­tas do se­na­dor, a união in­clui­rá 5 con­gres­sis­tas da Re­de, 4 do PDT, 2 do PSB, 2 do PPS, 1 do PRP, 2 do PHS e ain­da o se­na­dor Re­guf­fe (sem partido-​DF). A cri­a­ção do gru­po foi ali­nha­da em reu­nião na noi­te des­ta quarta-​feira (21), co­mo es­te si­te adi­an­tou.
Leia mais