Arquivos de STF

Pro­mul­ga­da na se­ma­na pas­sa­da, a emen­da cons­ti­tu­ci­o­nal da re­for­ma da Pre­vi­dên­cia é con­tes­ta­da por qua­tro ações di­re­tas de in­cons­ti­tu­ci­o­na­li­da­de (ADI) no Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral (STF). Os ques­ti­o­na­men­tos, com pe­di­do de li­mi­nar, fo­ram apre­sen­ta­dos por as­so­ci­a­ções de de­fen­so­res pú­bli­cos, ma­gis­tra­dos e in­te­gran­tes do Mi­nis­té­rio Pú­bli­co.

STF


Pedidos de liminar das ações serão analisados pelo ministro Luís Roberto Barroso

Os ca­sos se­rão re­la­ta­dos pe­lo mi­nis­tro Luís Ro­ber­to Bar­ro­so. A even­tu­al der­ru­ba­da de al­gum dos dis­po­si­ti­vos da re­for­ma im­pac­ta­rá a eco­no­mia de R$ 800 bi­lhões es­ti­ma­da pe­lo go­ver­no pa­ra os pró­xi­mos dez anos com as no­vas re­gras do sis­te­ma pre­vi­den­ciá­rio.
Leia mais

O pre­si­den­te do Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral (STF), mi­nis­tro Di­as Tof­fo­li, de­ter­mi­nou que o Ban­co Cen­tral (BC) en­vi­as­se ao Su­pre­mo uma có­pia de to­dos os re­la­tó­ri­os de in­te­li­gên­cia fi­nan­cei­ra (RIF) pro­du­zi­dos pe­lo an­ti­go Con­se­lho de Con­tro­le de Ati­vi­da­des Fi­nan­cei­ras (Co­af) nos úl­ti­mos três anos.

Nel­son Jr/​STF


Ministro Dias Toffoli

Os da­dos men­ci­o­nam 600 mil pes­so­as, sen­do 412,5 mil fí­si­cas e 186,2 mil ju­rí­di­cas, e já es­tão dis­po­ní­veis pa­ra aces­so do ma­gis­tra­do. A jus­ti­fi­ca­ti­va do pre­si­den­te da Cor­te pa­ra so­li­ci­tar os da­dos é en­ten­der o pro­ce­di­men­to de ela­bo­ra­ção e tra­mi­ta­ção dos re­la­tó­ri­os fi­nan­cei­ros.
Leia mais

O mi­nis­tro Ed­son Fa­chin, do Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral, ne­gou pe­di­do da Po­lí­cia Fe­de­ral pa­ra pren­der a ex-​presidente Dil­ma Rous­seff na ope­ra­ção que bus­cou pro­vas, nes­ta terça-​feira (5), con­tra os se­na­do­res Ja­der Bar­ba­lho (MDB-​PA), Re­nan Ca­lhei­ros (MDB-​AL) e Edu­ar­do Bra­ga (MDB-​AM). Eles são sus­pei­tos de ter re­ce­bi­do R$ 40 mi­lhões da JBS pa­ra apoi­ar a re­e­lei­ção de Dil­ma em 2014.

Pre­si­dên­cia da Re­pú­bli­ca


Para o ministro Edson Fachin, Dilma não oferece riscos à investigação que apura pagamento de propina a emedebistas para apoiar sua reeleição

Além da ex-​presidente, tam­bém eram al­vos de pe­di­dos de pri­são tem­po­rá­ria o ex-​ministro da Fa­zen­da Gui­do Man­te­ga, os ex-​senadores Eu­ni­cio Oli­vei­ra (MDB-​CE) e Val­dir Raupp (MDB-​RO) e o mi­nis­tro do Tri­bu­nal de Con­tas da União, Vi­tal do Rê­go Fi­lho.

Em no­ta (ve­ja a ín­te­gra mais abai­xo), a as­ses­so­ria de Dil­ma clas­si­fi­cou o pe­di­do da Po­lí­cia Fe­de­ral co­mo ab­sur­do, já que, se­gun­do o co­mu­ni­ca­do, a ex-​presidente não é in­ves­ti­ga­da no ca­so. “Ain­da bem que pre­va­le­ceu o bom sen­so e a res­pon­sa­bi­li­da­de do mi­nis­tro res­pon­sá­vel pe­lo ca­so no STF, as­sim co­mo do pró­prio Mi­nis­té­rio Pú­bli­co Fe­de­ral”, des­ta­ca o tex­to.
Leia mais

O mi­nis­tro do Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral (STF) Gil­mar Men­des fez um dis­cur­so in­ci­si­vo con­tra mé­to­dos em­pre­ga­dos pe­la força-​tarefa da La­va Ja­to nes­ta quarta-​feira (2), du­ran­te o jul­ga­men­to de um re­cur­so que po­de afe­tar as con­de­na­ções da ope­ra­ção. Em de­ter­mi­na­do mo­men­to em que fa­la­va da ope­ra­ção, ele fez uma com­pa­ra­ção com as mi­lí­ci­as.

Nel­son Jr/​STF


Gilmar Mendes afirmou que prisões preventivas era método de tortura

“É pre­ci­so o com­ba­te à cor­rup­ção den­tro do es­ta­do de di­rei­to. Não se po­de com­ba­ter a cor­rup­ção co­me­ten­do cri­mes, ame­a­çan­do pes­so­as, exi­gin­do de­la­ções ou fa­zen­do acor­dos, ten­do ir­mão co­mo ir­mão por­que pas­sam as de­la­ções. Tu­do is­so não é com­pa­tí­vel com a or­dem do es­ta­do de di­rei­to. As­sim se ins­ta­lam as mi­lí­ci­as bra­si­lei­ras. Es­qua­drão da Mor­te é fru­to dis­to. É pre­ci­so ter cui­da­do. Quem in­ves­ti­ga tem que ob­ser­var o es­ta­do de di­rei­to”, dis­se.
Leia mais

O Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral (STF) adi­ou a con­ti­nui­da­de do jul­ga­men­to que po­de afe­tar as de­ci­sões da ope­ra­ção La­va Ja­to. A no­va ses­são so­bre o te­ma es­ta­va pre­vis­ta pa­ra es­ta quinta-​feira (3), mas foi sus­pen­sa sob o ar­gu­men­to de que não ha­ve­ria quó­rum.

STF


Proposta de Dias Toffoli pode reduzir os efeitos da decisão desta quarta-feira

De­pois de de­ter­mi­nar que os réus de­la­ta­dos têm di­rei­to a fa­zer su­as ale­ga­ções fi­nais após os réus co­la­bo­ra­do­res, o Su­pre­mo de­ci­diu on­tem (2) por ado­tar uma te­se, que de­ve li­mi­tar os al­can­ces da de­ci­são. A ses­são, no en­tan­to, ter­mi­nou an­tes que os mi­nis­tros de­li­be­ras­sem so­bre o as­sun­to.
Leia mais

A me­di­da to­ma­da pe­lo mi­nis­tro Ale­xan­dre de Mo­ra­es de ex­pe­dir man­da­do de bus­ca e apre­en­são con­tra o ex-​procurador-​geral da Re­pú­bli­ca, Ro­dri­go Ja­not, ge­rou crí­ti­cas no mun­do ju­rí­di­co. A As­so­ci­a­ção Na­ci­o­nal dos Pro­cu­ra­do­res da Re­pú­bli­ca (ANPR) di­vul­gou no­ta con­de­nan­do a ação po­li­ci­al na ca­sa e no es­cri­tó­rio de Ja­not.

Car­los Moura/​STF


Alexandre de Moraes expediu mandado de busca e apreensão contra Janot

As bus­cas ocor­re­ram após Ja­not afir­mar, em en­tre­vis­tas à im­pren­sa, que che­gou a ir ar­ma­do com um re­vól­ver ao STF com a in­ten­ção de ma­tar o mi­nis­tro Gil­mar Men­des e de­pois se sui­ci­dar. O fa­to te­ria ocor­ri­do em 2017.
Leia mais

O ple­ná­rio do Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral (STF) vol­tou a jul­gar na tar­de des­ta quinta-​feira (26) o ha­be­as cor­pus que po­de le­var à anu­la­ção de até 32 con­de­na­ções da ope­ra­ção La­va Ja­to. O pe­di­do foi apre­sen­ta­do pe­la de­fe­sa do ex-​gerente da Pe­tro­bras Mar­cio de Al­mei­da Fer­rei­ra. Com mai­o­ria for­ma­da, os mi­nis­tros de­ci­di­ram por apro­var o ha­be­as cor­pus, mas a abran­gên­cia des­ta con­ces­são se­rá de­fi­ni­da na pró­xi­ma quarta-​feira (2).

Mar­ce­lo Camargo/​Agência Bra­sil


Lula está preso desde 7 de abril de 2018, em Curitiba

O ex-​presidente Lu­la po­de ser um dos be­ne­fi­ci­a­dos da ação. O pro­ces­so em ques­tão é o do sí­tio de Ati­baia, no qual ele foi con­de­na­do a 12 anos e 11 me­ses de pri­são. A de­fe­sa de Mar­cio ale­ga que o réu te­ria o di­rei­to de se ma­ni­fes­tar na ação pe­nal após as ale­ga­ções dos de­la­to­res acu­sa­dos no pro­ces­so. Se os mi­nis­tros en­ten­de­rem co­mo cor­re­ta es­ta in­ter­pre­ta­ção, to­dos os pro­ces­sos com de­la­to­res em que o pra­zo for o mes­mo pa­ra a ale­ga­ção fi­nal po­dem ter su­as con­de­na­ções anu­la­das.
Leia mais

O Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral (STF) de­ci­diu, nes­ta quinta-​feira, equi­pa­rar a ho­mo­fo­bia e a trans­fo­bia ao cri­me de ra­cis­mo. A Cor­te en­cer­rou um jul­ga­men­to que foi di­vi­di­do em seis ses­sões, des­de fe­ve­rei­ro, e ter­mi­nou com o re­sul­ta­do de 8 vo­tos a 3 por es­se en­ten­di­men­to.

Nel­son Jr./SCO/STF

Se­te mi­nis­tros acom­pa­nha­ram o vo­to do re­la­tor, o de­ca­no Cel­so de Mel­lo. Os úni­cos con­trá­ri­os fo­ram os mi­nis­tros Ri­car­do Lewan­dows­ki, Mar­co Au­ré­lio Mel­lo e o pre­si­den­te do Su­pre­mo, Di­as Tof­fo­li. Por um pla­car ain­da mais alar­ga­do, 10 a 1, o STF re­co­nhe­ceu que hou­ve mo­ra le­gis­la­ti­va, ou se­ja, que o Con­gres­so foi omis­so ao não cri­ar uma le­gis­la­ção so­bre o te­ma, ape­sar de pro­je­tos de lei nes­se sen­ti­do cir­cu­la­rem no Par­la­men­to des­de 2001.
Leia mais

O Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral (STF) de­fi­niu nes­ta quinta-​feira (6), por mai­o­ria de vo­tos, que a União, es­ta­dos e mu­ni­cí­pi­os pre­ci­sam de au­to­ri­za­ção do Po­der Le­gis­la­ti­vo pa­ra a ven­da de em­pre­sas pú­bli­cas e so­ci­e­da­des de eco­no­mia mis­ta. Os ma­gis­tra­dos tam­bém de­cre­ta­ram que o Exe­cu­ti­vo pre­ci­sa fa­zer li­ci­ta­ção pa­ra ven­der as es­ta­tais.

Nel­son Jr/​STF


Ministros proferiram os votos durante dois dias

A ex­ce­ção, se­gun­do o en­ten­di­men­to que pre­va­le­ceu na Cor­te, é pa­ra as sub­si­diá­ri­as e em­pre­sas con­tro­la­das pe­las es­ta­tais. Nes­se ca­so, o Su­pre­mo de­ter­mi­nou que as ven­das po­dem ser fei­tas sem aval do Le­gis­la­ti­vo e sem li­ci­ta­ção, des­de que res­pei­te a “exi­gên­cia de ne­ces­sá­ria com­pe­ti­ti­vi­da­de” e os de­mais prin­cí­pi­os pre­vis­tos pe­la Cons­ti­tui­ção pa­ra a ad­mi­nis­tra­ção pú­bli­ca.
Leia mais

Mes­mo al­vo de inú­me­ras crí­ti­cas, de ques­ti­o­na­men­to do Mi­nis­té­rio pú­bli­co e de uma ação po­pu­lar, o Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral (STF) não de­si­si­tiu da com­pra mi­li­o­ná­ria de re­fei­ções pa­ra ser­vir aos mi­nis­tros e con­vi­da­dos. En­tre os itens há me­da­lhões de la­gos­tas, ca­ma­rões e vi­nhos im­por­ta­dos. A in­for­ma­ção es­tá no Blog do Faus­to Ma­ce­do, no si­te do Es­ta­do de S.Paulo.

Agên­cia Bra­sil


Edital foi alvo de polêmica, mas ainda assim compra foi confirmada na sexta. Constam no cardápio itens como lagosta e vinhos importados, entre vários outros

O va­lor or­ça­do ini­ci­al­men­te em R$ 1,134 mi­lhão, mas con­for­me a re­por­ta­gem aca­bou fi­can­do em cer­ca de R$ 481 mil. “O edi­tal pro­vo­cou des­con­for­to en­tre mi­nis­tros da Cor­te e in­dig­na­ção en­tre ser­vi­do­res do tri­bu­nal. Um mi­nis­tro dis­se re­ser­va­da­men­te à re­por­ta­gem que a com­pra não foi pre­vi­a­men­te dis­cu­ti­da pe­los ma­gis­tra­dos em ses­são ad­mi­nis­tra­ti­va e, por­tan­to, não foi chan­ce­la­da pe­lo co­le­gi­a­do”, des­ta­ca o tex­to.
Leia mais