Arquivos de Trabalho

O se­na­dor Van­der­lan Car­do­so (PSD-​GO) ava­lia mu­dar a me­di­da pro­vi­só­ria de sus­pen­são de con­tra­to de tra­ba­lho e re­du­ção de sa­lá­rio pa­ra fa­ci­li­tar a pror­ro­ga­ção da pos­si­bi­li­da­de das sus­pen­sões. A ma­té­ria es­tá pre­vis­ta pa­ra ser vo­ta­da na terça-​feira (9) no Se­na­do. Se hou­ver mu­dan­ças no pa­re­cer o tex­to vol­ta pa­ra aná­li­se da Câmara.

Agên­cia Brasil

Ori­gi­nal­men­te a Me­di­da Pro­vi­só­ria 936/​2020 pre­via que a sus­pen­sões po­de­ri­am ser fei­tas du­ran­te 60 di­as e a re­du­ção de sa­lá­ri­os por 90 di­as. O re­la­tor na Câ­ma­ra, de­pu­ta­do Or­lan­do Sil­va (PCdoB-​SP), mu­dou es­se tre­cho e per­mi­tiu a pror­ro­ga­ção des­ses pra­zos en­quan­to du­rar o pe­río­do de ca­la­mi­da­de pú­bli­ca, ou se­ja, até 31 de de­zem­bro, ca­so ha­ja de­cre­to do Po­der Exe­cu­ti­vo.
Leia mais

Os 2.153 bi­li­o­ná­ri­os do mun­do de­têm mais ri­que­za do que 4,6 bi­lhões de pes­so­as, que cor­res­pon­dem a cer­ca de 60% da po­pu­la­ção mun­di­al. Os da­dos cons­tam do no­vo re­la­tó­rio da or­ga­ni­za­ção não go­ver­na­men­tal Ox­fam, Tem­po de Cui­dar - O tra­ba­lho de cui­da­do mal re­mu­ne­ra­do e não pa­go e a cri­se glo­bal da de­si­gual­da­de, lan­ça­do nes­se do­min­go (19), às vés­pe­ras do Fó­rum Econô­mi­co Mun­di­al, em Da­vos, na Suíça.

Ro­o­sewelt Pinheiro/​Agência Brasil

O es­tu­do apon­ta que a de­si­gual­da­de glo­bal es­tá em ní­veis re­cor­des e o nú­me­ro de bi­li­o­ná­ri­os do­brou na úl­ti­ma dé­ca­da. Se­gun­do o le­van­ta­men­to, o 1% mais ri­co do mun­do de­tém mais que o do­bro da ri­que­za de 6,9 bi­lhões de pessoas.

O re­la­tó­rio cha­ma a aten­ção pa­ra o fa­to de que es­sa gran­de de­si­gual­da­de es­tá ba­se­a­da em boa me­di­da em um sis­te­ma que não va­lo­ri­za o tra­ba­lho de mu­lhe­res e me­ni­nas, prin­ci­pal­men­te das que es­tão na ba­se da pi­râ­mi­de econô­mi­ca. De acor­do com a or­ga­ni­za­ção, no mun­do, os ho­mens de­têm 50% a mais de ri­que­za do que as mu­lhe­res.
Leia mais

A Advocacia-​geral da União (AGU) emi­tiu um pa­re­cer ao Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral (STF) no fim de de­zem­bro con­trá­rio à pos­si­bi­li­da­de de es­ta­dos e mu­ni­cí­pi­os cri­a­rem fe­ri­a­dos da Cons­ci­ên­cia Ne­gra, por en­ten­der que as ce­le­bra­ções in­ter­fe­rem nas re­la­ções de tra­ba­lho e so­men­te a União – Con­gres­so e Exe­cu­ti­vo – te­ri­am prer­ro­ga­ti­va pa­ra fa­zer isso.

Tâ­nia Rêgo/​Agência Brasil


Homenagem a Zumbi dos Palmares no Dia da Consciência Negra, no Rio de Janeiro

O pa­re­cer foi apre­sen­ta­do em uma ação em que a Con­fe­de­ra­ção Na­ci­o­nal dos Tra­ba­lha­do­res Me­ta­lúr­gi­cos (CNTM) pe­de que se­ja de­cla­ra­do cons­ti­tu­ci­o­nal o fe­ri­a­do no mu­ni­cí­pio de São Pau­lo. Em no­vem­bro, a Jus­ti­ça pau­lis­ta de­ter­mi­nou que os em­pre­ga­dos das in­dús­tri­as pau­lis­ta­nas não se sub­me­tes­sem mais ao fe­ri­a­do do Dia da Cons­ci­ên­cia Ne­gra.
Leia mais

Relatório da MP verde amarela deve ser lido em fevereiro

segunda-feira, 6 de janeiro de 2020 09:44 Notícias

O pre­si­den­te da co­mis­são mis­ta da me­di­da pro­vi­só­ria ver­de ama­re­la, se­na­dor Sér­gio Pe­te­cão (PSD-​AC), afir­mou que quer mar­car pa­ra fe­ve­rei­ro a lei­tu­ra do re­la­tó­rio so­bre a ini­ci­a­ti­va do go­ver­no. “Va­mos tra­ba­lhar nes­se sen­ti­do”, disse.

Agên­cia Brasil

A MP pre­ci­sa ser vo­ta­da pe­lo Con­gres­so até abril. De­pois de pas­sar pe­la co­mis­são mis­ta, ne­ces­si­ta de aná­li­se no ple­ná­rio da Câ­ma­ra dos De­pu­ta­dos e do Senado.

O pon­to mais po­lê­mi­co e que de­ve ser re­ti­ra­do ou al­te­ra­do é o que tra­ta da ta­xa­ção do seguro-​desemprego. O re­la­tor, de­pu­ta­do Ch­ris­ti­no Áu­reo (PP-​RJ), tra­ba­lha no re­ces­so pa­ra dar ce­le­ri­da­de na tra­mi­ta­ção na vol­ta dos tra­ba­lhos le­gis­la­ti­vos.
Leia mais

A Jus­ti­ça Fe­de­ral em São Pau­lo de­ci­diu que pes­so­as res­ga­ta­das em con­di­ções aná­lo­gas à es­cra­vi­dão te­rão di­rei­to ao seguro-​desemprego. A de­ci­são (ín­te­gra) foi as­si­na­da nes­ta quinta-​feira (18) e va­le­rá pa­ra to­do o país. Até en­tão, o go­ver­no fe­de­ral só con­ce­dia o be­ne­fí­cio em ca­sos de fis­ca­li­za­ção por auditor-​fiscal do Trabalho.

Ti­a­go Queiroz/​Estadão Conteúdo

A ação do Mi­nis­té­rio Pú­bli­co Fe­de­ral (MPF) que re­sul­tou na de­ci­são foi pro­to­co­la­da em 2017, de­pois que o en­tão Mi­nis­té­rio do Tra­ba­lho e Em­pre­go – atu­al­men­te Se­cre­ta­ria Es­pe­ci­al de Tra­ba­lho do Mi­nis­té­rio da Eco­no­mia – ne­gou a li­be­ra­ção do be­ne­fí­cio a tra­ba­lha­do­res res­ga­ta­dos de um sí­tio em Pa­ra­puã (SP) em 2015.
Leia mais

Prin­ci­pal voz de de­fe­sa das pes­so­as com de­fi­ci­ên­cia no Con­gres­so, a se­na­do­ra Ma­ra Ga­bril­li (PSDB-​SP) con­se­guiu an­ga­ri­ar o apoio de di­ver­sos par­la­men­ta­res pa­ra a ten­ta­ti­va de bar­rar o pro­je­to de lei do go­ver­no fe­de­ral que po­de re­du­zir o aces­so de pes­so­as com de­fi­ci­ên­cia ao mer­ca­do de tra­ba­lho. A se­na­do­ra, que é te­tra­plé­gi­ca, ar­ti­cu­lou a re­ti­ra­da da ur­gên­cia do pro­je­to e ain­da re­ce­beu o com­pro­mis­so de “apoio in­te­gral a es­sa agen­da” do pre­si­den­te do Se­na­do, Da­vi Al­co­lum­bre (DEM-​AP).

Ro­que de Sá/​Agência Senado


Mara Gabrilli recebe o apoio de deputados e senadores na sessão do Congresso

O apoio veio de­pois que a se­na­do­ra fez um dis­cur­so emo­ci­o­na­do du­ran­te a ses­são do Con­gres­so des­ta terça-​feira (3) di­zen­do que a me­di­da é um re­tro­ces­so e vai acen­tu­ar a ex­clu­são das pes­so­as com de­fi­ci­ên­cia ao al­te­rar a Lei de Co­tas. “Sin­to mui­to, Go­ver­no Bol­so­na­ro, não tem primeira-​dama que ex­pli­que is­so, nem na Lín­gua Bra­si­lei­ra de Si­nais. Re­ti­re es­se pro­je­to e va­mos cons­truir um pro­je­to jun­tos!”, re­cla­mou a se­na­do­ra, que con­cluiu sua fa­la sob aplau­sos. Ve­ja o de­poi­men­to de Ma­ra Ga­bril­li:
Leia mais

O go­ver­no te­rá gran­de di­fi­cul­da­de pa­ra apro­var a me­di­da pro­vi­só­ria (MP 905/​2019) que ins­ti­tui o Con­tra­to de Tra­ba­lho Ver­de e Ama­re­lo - pro­gra­ma de in­cen­ti­vo à con­tra­ta­ção de tra­ba­lha­do­res en­tre 18 e 29 anos. O prin­ci­pal in­di­ca­ti­vo é o nú­me­ro de emen­das apre­sen­ta­das em pou­co mais de uma se­ma­na por de­pu­ta­dos e se­na­do­res: já são mais de 2 mil su­ges­tões de mu­dan­ças do texto.

O go­ver­no es­ti­ma ge­rar 4,5 mi­lhões de em­pre­gos du­ran­te a vi­gên­cia do pro­gra­ma, até 31 de de­zem­bro de 2022. Mas, pa­ra os crí­ti­cos da me­di­da, ela não pas­sa de uma se­gun­da eta­pa, apro­fun­da­da, da re­for­ma tra­ba­lhis­ta. Par­la­men­ta­res que se au­to­de­cla­ram in­de­pen­den­tes e até go­ver­nis­tas já se jun­ta­ram à opo­si­ção pa­ra co­brar mu­dan­ças no tex­to.
Leia mais