Arquivos de Notícias

A Cor­re­ge­do­ria do Con­se­lho Na­ci­o­nal do Mi­nis­té­rio Pú­bli­co aten­deu par­ci­al­men­te pe­di­do fei­to pe­lo PT e ins­tau­rou pro­ces­so dis­ci­pli­nar con­tra os pro­cu­ra­do­res Del­tan Dal­lag­nol e Ro­ber­son Poz­zo­bom, da força-​tarefa da Ope­ra­ção La­va Ja­to em Cu­ri­ti­ba. A de­ci­são foi to­ma­da pe­lo cor­re­ge­dor Or­lan­do Ro­cha­del Mo­rei­ra nes­ta terça-​feira (16). Ele de­ter­mi­nou que os pro­cu­ra­do­res se­jam no­ti­fi­ca­dos e apre­sen­tem as de­fe­sas em dez di­as.

Pe­dro de Oliveira/​ALEP


Corregedoria do CNMP admitiu que existe elementos suficientes para iniciar a investigação sobre a conduta dos membros do Ministério Público

O pe­di­do de aber­tu­ra de pro­ces­so dis­ci­pli­nar foi fei­to com ba­se nas re­por­ta­gens pu­bli­ca­das no fi­nal de se­ma­na pe­lo si­te The In­ter­cept Bra­sil e pe­lo jor­nal Fo­lha de S. Pau­lo, apon­tan­do que Dal­lag­nol e Poz­zo­bon dis­cu­ti­am es­tra­té­gi­as pa­ra fa­zer even­tos e pa­les­tras co­mo for­ma de lu­crar com fa­ma ge­ra­da pe­la Ope­ra­ção La­va Ja­to. A Cor­re­ge­do­ria do CNMP ad­mi­tiu que exis­te ele­men­tos su­fi­ci­en­tes pa­ra ini­ci­ar a in­ves­ti­ga­ção so­bre a con­du­ta dos mem­bros do Mi­nis­té­rio Pú­bli­co, mas ain­da não hou­ve ne­nhum ti­po de jul­ga­men­to de mé­ri­to.
Leia mais

Mui­tos pro­ces­sos que in­ves­ti­gam ca­sos de cor­rup­ção e la­va­gem de di­nhei­ro se­rão im­pac­ta­dos pe­la de­ci­são do pre­si­den­te do Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral (STF), mi­nis­tro Di­as Tof­fo­li, de sus­pen­der as in­ves­ti­ga­ções ins­tau­ra­das a par­tir de in­for­ma­ções fis­cais e ban­cá­ri­as ob­ti­das por ór­gãos de con­tro­le co­mo o Con­se­lho de Con­tro­le de Ati­vi­da­des Fi­nan­cei­ras (Co­af). A con­clu­são é dos pro­cu­ra­do­res da Re­pú­bli­ca que in­te­gram as forças-​tarefas das ope­ra­ções La­va Ja­to e Gre­en­fi­eld e, nes­ta quarta-​feira (17), emi­ti­ram uma no­ta pú­bli­ca pe­din­do que o ple­ná­rio do STF re­a­va­lie es­sa ques­tão.

Ro­si­nei Coutinho/​SCO/​STF


Segundo os procuradores, decisão de Toffoli vai atrapalhar a investigação de casos de corrupção e lavagem de dinheiro

“As forças-​tarefas das ope­ra­ções Gre­en­fi­eld e La­va Ja­to em Cu­ri­ti­ba, São Pau­lo e Rio de Ja­nei­ro ex­ter­nam gran­de pre­o­cu­pa­ção em re­la­ção à de­ci­são mo­no­crá­ti­ca emi­ti­da pe­lo pre­si­den­te do E. STF, Min. Di­as Tof­fo­li”, afir­mam os pro­cu­ra­do­res na no­ta pu­bli­ca­da no si­te do Mi­nis­té­rio Pú­bli­co Fe­de­ral.

As­si­na­da por pro­cu­ra­do­res de Cu­ri­ti­ba, São Pau­lo e Rio de Ja­nei­ro, a no­ta ex­pli­ca que boa par­te do tra­ba­lho de­sem­pe­nha­do nos úl­ti­mos anos pe­la La­va Ja­to e pe­la Gre­en­fi­elf re­sul­tam de da­dos ob­ti­dos atra­vés de ór­gãos co­mo o Co­af. “As forças-​tarefas, ao lon­go dos úl­ti­mos cin­co anos, re­ce­be­ram inú­me­ras in­for­ma­ções so­bre cri­mes da Re­cei­ta, do COAF e do BACEN, in­clu­si­ve a par­tir da ini­ci­a­ti­va dos ór­gãos quan­do se de­pa­ra­ram com in­dí­ci­os de ati­vi­da­de cri­mi­no­sa”, con­tam os pro­cu­ra­do­res.
Leia mais

A in­di­ca­ção do de­pu­ta­do fe­de­ral Edu­ar­do Bol­so­na­ro (PSL-​SP) pa­ra o car­go de em­bai­xa­dor do Bra­sil nos EUA é re­jei­ta­da por 64% das pes­so­as que par­ti­ci­pa­ram do le­van­ta­men­to de opi­nião fei­to pe­la Pa­ra­ná Pes­qui­sa en­tre os di­as 13 e 17 de ju­lho. Quan­do per­gun­ta­dos se con­cor­da­vam ou dis­cor­da­vam com o pre­si­den­te Jair Bol­so­na­ro em no­me­ar seu fi­lho pa­ra a em­bai­xa­da, ape­nas 28,7% res­pon­deu in­di­can­do con­cor­dân­cia com a ati­tu­de.

Alan Santos/​PR


O presidente da República, Jair Bolsonaro, discursa na 54ª Cúpula de Chefes de Estado do Mercosul, em Santa Fé, Argentina

Jair Bol­so­na­ro con­fir­mou a in­ten­ção de in­di­car seu fi­lho pa­ra a em­bai­xa­da do Bra­sil nos EUA na úl­ti­ma sexta-​feira (12), mas a in­di­ca­ção ain­da não foi for­ma­li­za­da em men­sa­gem pre­si­den­ci­al ao Con­gres­so. Na terça-​feira (16), Bol­so­na­ro vol­tou a co­men­tar a in­ten­ção de in­di­car o fi­lho Edu­ar­do co­mo em­bai­xa­dor do Bra­sil nos Es­ta­dos Uni­dos e tam­bém con­ver­sou por te­le­fo­ne com o pre­si­den­te do Se­na­do, Da­vi Al­co­lum­bre (DEM-​AP).
Leia mais

Vice-​líder do PT na Câ­ma­ra, o de­pu­ta­do Ro­gé­rio Cor­reia (MG) pe­diu à Pro­cu­ra­do­ria Ge­ral da Re­pú­bli­ca a in­ves­ti­ga­ção de cri­mes co­me­ti­dos pe­la força-​tarefa da Ope­ra­ção La­va Ja­to, em Cu­ri­ti­ba, pa­ra a ges­tão de um fun­do de R$ 6,8 bi­lhões, va­lo­res oriun­dos de acor­do de co­la­bo­ra­ção pre­mi­a­da da Ode­bre­cht.

Fer­nan­do Frazão/​Agência Bra­sil


Dallagnol tentou lucrar com fama proporcionada pela Lava-Jato

A pe­ti­ção, in­gres­sa­da nes­ta terça-​feira (16), rei­te­ra so­li­ci­ta­ção do par­ti­do en­ca­mi­nha­da à pró­pria procuradora-​geral Ra­quel Dod­ge, que apu­ra ou­tra de­nún­cia so­bre a ope­ra­ção, en­vol­ven­do fun­do de R$ 2,5 bi­lhões a tí­tu­lo de mul­ta e que se­ria ge­ri­do de for­ma ile­gal pe­los pro­cu­ra­do­res de Cu­ri­ti­ba.

O co­or­de­na­dor da for­ça – ta­re­fa da La­va Ja­to, pro­cu­ra­dor Del­tan Dal­lag­nol, par­ti­ci­pou da ar­ti­cu­la­ção dos dois acor­dos bi­li­o­ná­ri­os, se­gun­do Cor­reia. Se­gun­do o de­pu­ta­do, no mês pas­sa­do, Dod­ge dis­se que a ques­tão do fun­do de R$ 2,5 bi­lhões es­ta­va sen­do ana­li­sa­da pe­lo Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral, mas afir­mou des­co­nhe­cer o ou­tro acor­do fei­to com a Ode­bre­cht.
Leia mais

Aten­den­do a um pe­di­do do se­na­dor Flá­vio Bol­so­na­ro (PSL-​SP), o pre­si­den­te do Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral (STF), mi­nis­tro Di­as Tof­fo­li, sus­pen­deu tem­po­ra­ri­a­men­te to­dos os pro­ces­sos ju­di­ci­ais que te­nham co­mo ba­se da­dos si­gi­lo­sos com­par­ti­lha­dos pe­lo Con­se­lho de Con­tro­le de Ati­vi­da­des Fi­nan­cei­ras (Co­af) e pe­la Re­cei­ta Fe­de­ral sem au­to­ri­za­ção pré­via da Jus­ti­ça. A de­ci­são po­de be­ne­fi­ci­ar o fi­lho do pre­si­den­te Jair Bol­so­na­ro em in­ves­ti­ga­ções que tra­mi­tam na Jus­ti­ça do Rio de Ja­nei­ro.

Fá­bio Ro­dri­gues Pozzebom/​Agência Bra­sil


Decisão beneficia senador Flávio Bolsonaro

Em 2018, o Co­af apon­tou ope­ra­ções ban­cá­ri­as sus­pei­tas de 74 ser­vi­do­res e ex-​funcionários da As­sem­bleia Le­gis­la­ti­va do Rio de Ja­nei­ro (Alerj). O do­cu­men­to re­ve­lou mo­vi­men­ta­ção atí­pi­ca de R$ 1,2 mi­lhão na con­ta de Fa­brí­cio Quei­roz, que atu­ou co­mo mo­to­ris­ta e as­ses­sor de Flá­vio à épo­ca em que ele era de­pu­ta­do es­ta­du­al.
Leia mais

O lí­der do go­ver­no no Se­na­do, Fer­nan­do Be­zer­ra Co­e­lho (MDB-​PE), es­pe­ra que a Ca­sa apro­ve a re­for­ma da Pre­vi­dên­cia com uma mar­gem si­mi­lar à da Câ­ma­ra dos De­pu­ta­dos, que re­gis­trou 74% de apro­va­ção ao texto-​base da ma­té­ria. Is­so por­que ele acre­di­ta que cer­ca de 60 dos 81 se­na­do­res de­vem apoi­ar o go­ver­no nes­ta vo­ta­ção - mai­o­ria que, se­gun­do o se­na­dor, tam­bém de­ve apro­var a in­di­ca­ção de Edu­ar­do Bol­so­na­ro (PSL-​SP) à em­bai­xa­da nos Es­ta­dos Uni­dos.

Edil­son Rodrigues/​Agência Se­na­do


"Aqui tem voto", garantiu Fernando Bezerra Coelho, que também acredita que os senadores aprovem indicação de Eduardo Bolsonaro à embaixada

“Nos­sa ex­pec­ta­ti­va é que a gen­te pos­sa con­cluir a vo­ta­ção no Se­na­do Fe­de­ral até apro­xi­ma­da­men­te o dia 20 de se­tem­bro. Eu acre­di­to que o go­ver­no de­ve­rá ter aqui en­tre 54 e 60 vo­tos. […] Aqui tem vo­to”, ga­ran­tiu Fer­nan­do Be­zer­ra Co­e­lho, ar­gu­men­tan­do que a re­for­ma vai além da ba­se do go­ver­no. “Tem o apoio de mui­tos ou­tros par­ti­dos, que in­clu­si­ve fa­zem opo­si­ção ao go­ver­no”, afir­mou o se­na­dor.
Leia mais

An­tes da re­for­ma da Pre­vi­dên­cia, ne­nhum ou­tro pro­je­to de lei ou emen­da cons­ti­tu­ci­o­nal ha­via reu­ni­do tan­tos par­la­men­ta­res no ple­ná­rio da Câ­ma­ra dos De­pu­ta­dos. É que ape­nas três de­pu­ta­dos não re­gis­tra­ram vo­to no dia em que o texto-​base da re­for­ma foi apro­va­do no ple­ná­rio - nú­me­ro re­cor­de pa­ra uma vo­ta­ção le­gis­la­ti­va, se­gun­do o pre­si­den­te da Ca­sa, Ro­dri­go Maia (DEM-​RJ).

Luis Macedo/​Câmara dos De­pu­ta­dos


Só três dos 513 deputados não votaram o texto-base da reforma

“Des­de 1991, quan­do pas­sa­mos a ter os da­dos de to­das as vo­ta­ções, es­sa foi a vo­ta­ção le­gis­la­ti­va com o mai­or quó­rum da his­tó­ria”, afir­mou nes­ta terça-​feira (17), Ro­dri­go Maia. Ele ex­pli­cou que pes­qui­sas no ban­co de da­dos da Câ­ma­ra re­ve­la­ram que ape­nas al­gu­mas pou­cas ses­sões reu­ni­ram um nú­me­ro de de­pu­ta­dos su­pe­ri­or ao que foi vis­to na vo­ta­ção da re­for­ma. E ne­las não fo­ram apre­ci­a­dos emen­das cons­ti­tu­ci­o­nais ou pro­je­tos de lei. “O quó­rum só per­de pa­ra o im­pe­a­ch­ment, pa­ra a pos­se dos de­pu­ta­dos e pa­ra a elei­ção do pre­si­den­te da Câ­ma­ra. De vo­ta­ção le­gis­la­ti­va, foi o mai­or”, ga­ran­tiu Maia, acres­cen­tan­do: “foi um bom re­sul­ta­do”.
Leia mais

É sal­ga­da a con­ta pa­ra fi­nan­ci­ar as ati­vi­da­des dos par­ti­dos exis­ten­tes no Bra­sil. Nos úl­ti­mos dez anos (2009 a 2018), o cha­ma­do fun­do par­ti­dá­rio re­pas­sou R$ 4,46 bi­lhões às le­gen­das de di­fe­ren­tes ma­ti­zes, de es­quer­da e de di­rei­ta. Os da­dos fo­ram ob­ti­dos pe­lo Con­gres­so em Fo­co em con­sul­ta ao si­te do Tri­bu­nal Su­pe­ri­or Elei­to­ral (TSE).

Jo­sé Cruz/​Agência Bra­sil


Justiça repassa bilhões aos partidos políticos

Se acres­cen­tar o va­lor pa­go nes­te ano, R$ 329,97 mi­lhões, a so­ma so­be pa­ra R$ 4,79 bi­lhões. No en­tan­to, co­mo os re­pas­ses são re­a­li­za­dos men­sal­men­te, a con­ta se­rá ain­da mai­or no fim de 2019. Is­so sem le­var em con­si­de­ra­ção o di­nhei­ro do fun­do elei­to­ral nas elei­ções do ano pas­sa­do, R$ 1,7 bi­lhão, o que ele­va a con­ta pa­ra R$ 6,4 bi­lhões.

Ofi­ci­al­men­te co­nhe­ci­do co­mo Fun­do Es­pe­ci­al de As­sis­tên­cia Fi­nan­cei­ra aos Par­ti­dos Po­lí­ti­cos, a ver­ba re­pas­sa­da aos par­ti­dos au­men­tou ano após ano. Mas a al­ta mais sig­ni­fi­ca­ti­va ocor­reu en­tre 2014 e 2015. Na oca­sião, o mon­tan­te dis­tri­buí­do mais que do­brou: sal­tou de R$ 308,20 mi­lhões pa­ra R$ 811,28 mi­lhões.
Leia mais

A pre­si­den­te da CCJ (Co­mis­são de Cons­ti­tui­ção e Jus­ti­ça) do Se­na­do, Si­mo­ne Te­bet (MDB-​MS), dis­se nes­ta segunda-​feira, 15, que não acre­di­ta que o Se­na­do vai apro­var a re­for­ma da Pre­vi­dên­cia em se­tem­bro, mas na pri­mei­ra se­ma­na de ou­tu­bro. “Não ve­jo pos­si­bi­li­da­de de en­tre­gar dia 15 de se­tem­bro. É im­por­tan­te dei­xar a opo­si­ção res­pi­rar”. O pre­si­den­te da Ca­sa, Da­vi Al­co­lum­bre (DEM-​AP), dis­se que o Se­na­do apro­va a re­for­ma em se­tem­bro.

Ro­ber­to Cas­tel­lo


Presidente da CCJ criticou Bolsonaro negociar emendas em troca de votos pela Previdência

A de­cla­ra­ção da eme­de­bis­ta foi da­da ao fa­zer um re­su­mo de sua atu­a­ção no co­man­do da CCJ. “Vai che­gar na CCJ em uma quinta-​feira, que já é dia 7 de agos­to, se der cer­to lá [vo­ta­ção em se­gun­do tur­no na Câ­ma­ra dos De­pu­ta­dos]”. A pre­si­den­te da CCJ tam­bém con­fir­mou o se­na­dor Tas­so Je­reis­sa­ti (PSDB-​CE) co­mo re­la­tor da re­for­ma. Te­bet pre­vê uma tra­mi­ta­ção de três se­ma­nas a um mês da re­for­ma da Pre­vi­dên­cia na CCJ e de uma se­ma­na a 15 di­as no ple­ná­rio.
Leia mais

No­vos diá­lo­gos di­vul­ga­dos pe­lo si­te The In­ter­cept e pe­lo jor­nal Fo­lha de São Pau­lo nes­te do­min­go (13) in­di­cam que o pro­cu­ra­dor Del­tan Dal­lag­nol ten­tou ti­rar van­ta­gens fi­nan­cei­ras da fa­ma ad­qui­ri­da en­quan­to co­or­de­na­dor da força-​tarefa da Ope­ra­ção Lava-​Jato. Se­gun­do as men­sa­gens, ele dis­cu­tiu com um co­le­ga de pro­fis­são a cri­a­ção de uma em­pre­sa, em que não apa­re­ce­ria co­mo só­cio, pa­ra or­ga­ni­zar even­tos e pa­les­tras e, as­sim, lu­crar com a vi­si­bi­li­da­de e os con­ta­tos ob­ti­dos atra­vés da La­va Ja­to.

Mar­ce­lo Camargo/​Agência Bra­sil


Deltan Dallagnol, procurador da Operação Lava Jato

Se­gun­do o In­ter­cept, Del­tan Dal­lag­nol te­ve a ideia de cri­ar uma em­pre­sa de even­tos no fim de 2018 e pen­sou até em usar o no­me de fa­mi­li­a­res nes­se pro­ces­so pa­ra evi­tar ques­ti­o­na­men­tos ju­rí­di­cos, já que a lei proí­be que pro­cu­ra­do­res te­nham po­de­res de ad­mi­nis­tra­ção ou ges­tão de em­pre­sas. “Va­mos or­ga­ni­zar con­gres­sos e even­tos e lu­crar, ok? É um bom jei­to de apro­vei­tar nos­so networ­king e vi­si­bi­li­da­de”, te­ria di­to o pro­cu­ra­dor à es­po­sa, em men­sa­gens do apli­ca­ti­vo Te­le­gram en­vi­a­das em de­zem­bro do ano pas­sa­do.
Leia mais