Arquivos de Notícias

O pre­si­den­te Jair Bol­so­na­ro já es­tá dis­cu­tin­do o fu­tu­ro de Fa­bio Wajn­gar­ten, o che­fe da Se­cre­ta­ria de Co­mu­ni­ca­ção (Se­com) do go­ver­no, que, se­gun­do de­nún­cia pu­bli­ca­da pe­la Fo­lha de S.Paulo, es­tá re­ce­ben­do di­nhei­ro de em­pre­sas con­tra­ta­das pe­la pró­pria Se­com. A opo­si­ção, con­tu­do, quer co­brar ex­pli­ca­ções de Wajn­gar­ten in­de­pen­den­te­men­te do que for re­sol­vi­do pe­lo pre­si­den­te. O che­fe da Se­com de­ve ser, en­tão, al­vo de uma notícia-​crime na Procuradoria-​Geral da Re­pú­bli­ca (PGR) e de uma con­vo­ca­ção no Se­na­do.

An­der­son Riedel/​PR


Secretário Especial de Comunicação Social, Fábio Wajngarten

Foi o lí­der da opo­si­ção no Se­na­do, Ran­dol­fe Ro­dri­gues (Rede-​AP), que anun­ci­ou, nas re­des so­ci­ais, as me­di­das que de­vem ser to­ma­das di­an­te do ca­so Wajn­gar­ten. “Vou pe­dir a con­vo­ca­ção do che­fe da Se­com, Fá­bio Wajn­gar­ten, pa­ra de­por na CTFC (Co­mis­são de Trans­pa­rên­cia, Go­ver­nan­ça, Fis­ca­li­za­ção e Con­tro­le e De­fe­sa do Con­su­mi­dor) do Se­na­do e apre­sen­ta­rei uma notícia-​crime na PGR”, afir­mou Ran­fol­fe na noi­te des­sa quarta-​feira (15). Ele ale­gou que, “ao con­trá­rio do que faz o pre­si­den­te”, a opo­si­ção não vai acei­tar mais uma de­nún­cia de cor­rup­ção li­ga­da ao go­ver­no fe­de­ral ser es­que­ci­da. Ve­ja:
Leia mais

O che­fe da Se­cre­tá­ria de Co­mu­ni­ca­ção So­ci­al da Pre­si­dên­cia da Re­pú­bli­ca (Se­com), Fá­bio Wajn­gar­ten, re­ce­be di­nhei­ro de em­pre­sas con­tra­ta­das pe­la pró­pria se­cre­ta­ria, por meio de uma em­pre­sa da qual é só­cio. Mes­mo após as­su­mir o car­go no Pla­nal­to, o pu­bli­ci­tá­rio con­ti­nua co­mo prin­ci­pal só­cio da FW Co­mu­ni­ca­ção e Mar­ke­ting, que tem con­tra­tos com pe­lo me­nos cin­co em­pre­sas que re­ce­bem ver­bas do go­ver­no. As in­for­ma­ções são da Fo­lha de S.Paulo.

Reprodução/​Instagram


Fábio Wajngarten e o presidente Bolsonaro

A le­gis­la­ção proí­be in­te­gran­tes da cú­pu­la do go­ver­no de man­ter ne­gó­ci­os com pes­so­as fí­si­cas ou ju­rí­di­cas que pos­sam ser afe­ta­das por su­as de­ci­sões, prá­ti­ca co­nhe­ci­da co­mo con­fli­to de in­te­res­ses. Ca­so o be­ne­fí­cio in­de­vi­do se­ja com­pro­va­do, o ato se ca­rac­te­ri­za­ria co­mo im­pro­bi­da­de ad­mi­nis­tra­ti­va, que po­de le­var à de­mis­são do car­go. A Se­com é res­pon­sá­vel por de­fi­nir a des­ti­na­ção da ver­ba de pro­pa­gan­da do Pla­nal­to, além de di­tar re­gras pa­ra as con­tas dos de­mais ór­gãos fe­de­rais. Só no ano pas­sa­do, a se­cre­ta­ria gas­tou R$ 197 mi­lhões em cam­pa­nhas.
Leia mais

O Bra­sil pos­sui uma sé­rie de de­fi­ci­ên­ci­as nas po­lí­ti­cas pú­bli­cas vol­ta­das ao al­can­ce da igual­da­de de gê­ne­ro. É o que mos­tra uma au­di­to­ria do Tri­bu­nal de Con­tas da União (TCU) pa­ra ava­li­ar se o país es­tá cum­prin­do as me­tas pre­vis­tas no do­cu­men­to Ob­je­ti­vo de De­sen­vol­vi­men­to Sus­ten­tá­vel (ODS 5), es­ta­be­le­ci­do na Agen­da 2030 , das Na­ções Uni­das (ONU).

Fer­nan­do Frazão/​Agência Bra­sil


Caminhada de mulheres contra o feminicídio no Rio de Janeiro

Di­vul­ga­do pe­lo TCU em no­vem­bro do ano pas­sa­do, o do­cu­men­to apon­ta o des­ca­so do go­ver­no fe­de­ral em tra­tar o te­ma da igual­da­de de gê­ne­ro co­mo al­go pri­o­ri­tá­rio. “Des­de 2015, iní­cio da vi­gên­cia da Agen­da 2030, se­gui­das mu­dan­ças, de­cor­ren­tes de fa­to­res econô­mi­cos e da fal­ta de pri­o­ri­za­ção do go­ver­no fe­de­ral na te­má­ti­ca, im­pli­ca­ram re­du­ção de 80% da do­ta­ção or­ça­men­tá­ria do ór­gão e de 42,3% do qua­dro de pes­so­al”, afir­ma a re­la­to­ra do pro­ces­so, a mi­nis­tra do TCU Ana Ar­ra­es, no do­cu­men­to.
Leia mais

Bolsonaro reajusta salário mínimo, que passa a R$ 1.045

quarta-feira, 15 de janeiro de 2020 08:54 Notícias

O pre­si­den­te Jair Bol­so­na­ro (sem par­ti­do) anun­ci­ou nes­ta terça-​feira (14) que o go­ver­no vai re­a­jus­tar o va­lor do sa­lá­rio mí­ni­mo pa­ra re­com­por as per­das da in­fla­ção, pas­san­do de R$ 1.039 pa­ra R$ 1.045. O va­lor de­ve co­me­çar a va­ler a par­tir de fe­ve­rei­ro.

Reprodução/​Congresso em Fo­co

A mu­dan­ça na quan­tia ocor­re após o re­sul­ta­do do Ín­di­ce Na­ci­o­nal de Pre­ços do Con­su­mi­dor (INPC), men­su­ra­do pe­lo Ins­ti­tu­to Bra­si­lei­ro de Ge­o­gra­fia e Es­ta­tís­ti­ca (IBGE), in­di­car um va­lor mai­or que o pre­vis­to pe­lo mer­ca­do fi­nan­cei­ro, que ser­viu co­mo ba­se pa­ra o cál­cu­lo que ha­via de­fi­ni­do o va­lor do sa­lá­rio mí­ni­mo.
Leia mais

Nes­ta terça-​feira, 14 de ja­nei­ro, o Sin­terc abriu as por­tas da sua no­va se­de em Bau­ru pa­ra o pro­ces­so de re­cru­ta­men­to e se­le­ção de tra­ba­lha­do­ras e tra­ba­lha­do­res pa­ra pre­en­cher 25 va­gas de em­pre­go pa­ra uma no­va uni­da­de de re­fei­ções co­le­ti­vas na ci­da­de.

Fo­ram ofer­ta­dos os car­gos de: nu­tri­ci­o­nis­ta (1 va­ga); téc­ni­co em nu­tri­ção (1 va­ga); es­to­quis­ta (1 va­ga); co­zi­nhei­ro lí­der (1 va­ga); co­zi­nhei­ro (2 va­gas); oficial/​ajudante de co­zi­nha de co­zi­nha (11 va­gas); oficial/​ajudante de ser­vi­ços ge­rais (6 va­gas); e ope­ra­dor de cai­xa (2 va­gas). A di­vul­ga­ção das va­gas foi fei­ta nas mí­di­as so­ci­ais (Fa­ce­bo­ok e Ins­ta­gram), no What­sapp, no si­te do Sin­terc, em rá­di­os e ca­nais de TV.
Leia mais

Preço da carne subiu 32,4% em 2019 e inflação bateu 4,31%

segunda-feira, 13 de janeiro de 2020 10:16 Notícias

A in­fla­ção em 2019 ba­teu 4,31% e um dos pro­du­tos que mais im­pac­ta­ram nis­so foi a car­ne. O ali­men­to te­ve al­ta de 32,40% no ano pas­sa­do, re­pre­sen­tan­do 0,86 pon­tos per­cen­tu­ais no in­di­ca­dor ge­ral. O gru­po ao qual ele per­ten­ce, de “ali­men­ta­ção e be­bi­das”, apre­sen­tou al­ta de 6,37% no ano, o que ge­rou im­pac­to de 1,57 pon­to per­cen­tu­al no to­tal. O se­tor de “trans­por­tes” tam­bém te­ve uma al­ta sig­ni­fi­ca­ti­va, che­gan­do a 3,57%. Aci­ma es­te­ve a “saú­de e cui­da­dos pes­so­ais” com 4,41%.

Pi­xa­bay

“Que­ro dei­xar bem cla­ro que es­se ne­gó­cio da car­ne é a lei da ofer­ta e da pro­cu­ra. Não pos­so ta­be­lar, in­ven­tar. Is­so não vai dar cer­to”, dis­se Bol­so­na­ro em no­vem­bro. O pre­si­den­te tam­bém ha­via afir­ma­do que o pre­ço iria bai­xar. Na épo­ca o au­men­to ain­da es­ta­va em 22,9%. No fi­nal de de­zem­bro, Bol­so­na­ro de­fen­deu que a pro­du­ção pe­cuá­ria de­ve­ria ser per­mi­ti­da em ter­ras in­dí­ge­nas pa­ra di­mi­nuir o va­lor da car­ne. “O pre­ço da car­ne su­biu. Nós te­mos de cri­ar mais bois aqui, pa­ra di­mi­nuir o pre­ço da car­ne e eles po­dem cri­ar boi”.
Leia mais

De­zem­bro de 2019 foi o mês em que as fa­mí­li­as bra­si­lei­ras mais se en­di­vi­da­ram nos úl­ti­mos no­ve anos. A in­fla­ção em 2019 ba­teu 4,31%, o se­tor mais que mais con­tri­buiu pa­ra es­te nú­me­ro foi o de “ali­men­ta­ção e be­bi­das”, que so­zi­nho apre­sen­tou al­ta de 6,37% no ano, o que ge­rou im­pac­to de 1,57 pon­to per­cen­tu­al no to­tal.

USP Ima­gens

Se­gun­do a Pes­qui­sa de En­di­vi­da­men­to e Ina­dim­plên­cia do Con­su­mi­dor (Peic), re­a­li­za­da pe­la Con­fe­de­ra­ção Na­ci­o­nal do Co­mér­cio de Bens, Ser­vi­ços e Tu­ris­mo (CNC), o ín­di­ce de en­di­vi­da­men­to em 2019 al­can­çou 65,6%, sen­do es­te o mai­or per­cen­tu­al da sé­rie his­tó­ri­ca des­de ja­nei­ro de 2010. Em no­vem­bro o ín­di­ce já es­ta­va em 65,1%.
Leia mais

Até no­vem­bro do ano pas­sa­do, o go­ver­no fe­de­ral re­ti­rou 1,3 mi­lhão de be­ne­fi­ciá­ri­os do pro­gra­ma Bol­sa Fa­mí­lia de­vi­do a ir­re­gu­la­ri­da­des no ca­das­tro. De acor­do com Mi­nis­té­rio da Ci­da­da­nia, o can­ce­la­men­to de be­ne­fí­ci­os ge­rou eco­no­mia de R$ 1,3 bi­lhão pa­ra os co­fres pú­bli­cos.

Reprodução/​Congresso em Fo­co

Se­gun­do o porta-​voz da Pre­si­dên­cia da Re­pú­bli­ca, Otá­vio Rê­go Bar­ros, o go­ver­no es­tá com es­tu­dos adi­an­ta­dos pa­ra re­for­mu­lar o pro­gra­ma. No en­tan­to, ain­da não há pra­zo pa­ra que a re­for­mu­la­ção se­ja lan­ça­da.
Leia mais

Ape­sar da di­mi­nui­ção das ten­sões no mer­ca­do fi­nan­cei­ro in­ter­na­ci­o­nal, o dó­lar te­ve a mai­or al­ta diá­ria em dois me­ses e a bol­sa de va­lo­res vol­tou a cair no Bra­sil. O dó­lar co­mer­ci­al en­cer­rou es­ta quinta-​feira (9) ven­di­do a R$ 4,086, com va­lo­ri­za­ção de 0,85% (R$ 0,035). Em va­lo­res per­cen­tu­ais, es­sa foi a mai­or su­bi­da pa­ra um dia des­de 8 de no­vem­bro, quan­do a di­vi­sa se va­lo­ri­zou 1,83%.

Reprodução/​Congresso em Fo­co

No mer­ca­do de ações, o ín­di­ce Ibo­ves­pa, da B3 (an­ti­ga Bol­sa de Va­lo­res de São Pau­lo), fe­chou aos 115.946 pon­tos, com re­cuo de 0,26%. Em que­da pe­la quar­ta ses­são con­se­cu­ti­va, o in­di­ca­dor en­cer­rou abai­xo dos 116 mil pon­tos pe­la pri­mei­ra vez no ano.
Leia mais

O per­cen­tu­al de fa­mí­li­as en­di­vi­da­das no Bra­sil che­gou a 65,5% em de­zem­bro de 2019. É o mai­or pa­ta­mar des­de 2010, se­gun­do a Pes­qui­sa de En­di­vi­da­men­to e Ina­dim­plên­cia do Con­su­mi­dor (Peic) da Con­fe­de­ra­ção Na­ci­o­nal do Co­mér­cio de Bens, Ser­vi­ços e Tu­ris­mo (CNC). O car­tão de cré­di­to tem si­do a prin­ci­pal cau­sa de en­di­vi­da­men­to das fa­mí­li­as bra­si­lei­ras.

Reprodução/​Congresso em Fo­co

Ao lon­go do ano pas­sa­do, au­men­tou tam­bém o per­cen­tu­al de fa­mí­li­as ina­dim­plen­tes que afir­mam não ter con­di­ções de pa­gar su­as dí­vi­das. Em ja­nei­ro de 2019 es­se per­cen­tu­al era de 9,1%. Mas, no fi­nal do ano, es­se va­lor su­biu pa­ra 10%, se­gun­do a CNC. A pes­qui­sa mos­tra que em re­la­ção a 2018 es­te nú­me­ro tam­bém es­tá mais al­to e que o tem­po mé­dio de atra­so no acer­to de con­tas já che­ga a 63,5 di­as.
Leia mais