Dois engenheiros que atestaram a segurança da barragem 1 da Mina do Feijão, que se rompeu na última sexta-feira (25) em Brumadinho (MG), foram presos na manhã desta terça-feira (29) em São Paulo. Em Belo Horizonte foram presas outras três pessoas “diretamente envolvidos e responsáveis pelo empreendimento minerário e seu licenciamento”, segundo o Ministério Público de Minas Gerais.

Ricardo Stuckert


De acordo com balanço divulgado na noite dessa segunda-feira, 65 corpos foram resgatados. Mas quase 300 pessoas ainda continuam desaparecidas

As ordens são de prisão temporária, com validade de 30 dias, e foram expedidas pela Justiça Estadual de Minas Gerais. s investigadores do Ministério Público e da polícia também apuram se documentos técnicos, feitos por empresas contratadas pela Vale e que atestavam a segurança da barragem que se rompeu, foram fraudados. A força-tarefa envolve a Polícia Federal, o Ministério Público Estadual e Federal e a Polícia Civil de São Paulo e Minas. Os nomes das empresas investigadas não foram informados.

De acordo com o último balanço, divulgado na noite dessa segunda-feira (28), foram localizados 65 mortos e 279 pessoas continuam desaparecidas após a tragédia provocada pelo rompimento da barragem em Brumadinho, na região metropolitana de Belo Horizonte.

Fonte: Congresso em Foco

© Copyright 1993-2021 Sinterc - Todos os direitos reservados

Sindicato dos Trabalhadores em Empresas de Refeições Coletivas, Cozinhas Industriais, Restaurantes Industriais, Merenda Escolar Terceirizada, Cestas Básicas, e Comissarias da Região Norte e Oeste do Estado de São Paulo.

Sede

Rua Cussy Júnior, 11-63, Centro,Bauru/SP, CEP 17015-022