O governo de São Paulo vai seguir o cronograma do ano letivo e manterá as férias escolares de janeiro na rede estadual. A expectativa é que a pandemia esteja controlada e as aulas retomem no próximo ano com percentual maior de alunos em sala e obrigatoriedade da parte presencial.

iStock

Segundo o secretário estadual de Educação, Rossieli Soares, o calendário de 2021 deve ser divulgado nos próximos dias pela gestão estadual.

“Ano letivo desse ano termina em dezembro, nós vamos cumprir as férias escolares do mês de janeiro. Nós entendemos que é muito importante que os profissionais de educação, professores, gerentes de organização, todos eles tenham uma parada de descanso. Inclusive para o próprio estudante”, disse o secretário em entrevista ao Bom Dia São Paulo nesta terça-feira (3).

Ainda de acordo com Rossieli, a perspectiva é a de que as aulas sejam retomadas na primeira semana de fevereiro.

“Devemos fechar o calendário e anunciar nos próximos dias, talvez ainda esta semana, o calendário de 2021, que teve ter o início das aulas no máximo na primeira semana de fevereiro”, afirmou.

A Secretaria de Educação ainda não tem definições de como será a volta às aulas no próximo ano, mas projeta um retorno com um percentual maior de alunos em sala e a obrigatoriedade da presença dos estudantes nas escolas.

“A gente vai avaliando semana a semana, mês a mês, com a área da saúde, para entendermos qual será [o cenário]. Torcemos que a situação esteja muito mais controlada para que a gente consiga voltar com um percentual maior e de forma já obrigatória a parte presencial.”

Quarto ano

Ainda de acordo com o secretário, embora o número de matrículas recebidas para 2021 seja similar ao deste ano, 45 mil estudantes manifestaram interesse em cursar o quarto ano do Ensino Médio em 2021. A procura foi três vezes maior do que o governo esperava.

“Nós teremos provavelmente um número de alunos semelhante ao desse ano, em torno de 3 milhões e 400 mil. Nós deveremos ter uma estabilidade de um número próximo ao que é o desse ano, com uma diferença: nós teremos em torno de 40 mil matriculas para o terceiro ano opcional. O que é um número bastante expressivo para a gente, nós esperávamos um número particularmente menor, mas tivemos a manifestação de muitos jovens que estão no terceiro ano e que querem fazer o quarto ano opcional. ”

Prova obrigatória

O governo também planeja aplicar, a partir de 3 de dezembro, uma prova obrigatória para todos os alunos da rede estadual. Ainda não há definição sobre o formato do teste.

Segundo o Subsecretário de Articulação Regional, Henrique Pimentel, a prova será preferencialmente presencial, e alunos do grupos de risco poderão fazer on-line.

As provas não serão aplicadas no mesmo dia para todos. “Vai ser escalonado, de acordo com o número de turmas que a escola tem e possibilidades de distanciamento”, disse Henrique.

A proposta tem como objetivo mapear o nível do conhecimento dos alunos e o impacto do ensino à distância.

Cronograma estadual

Desde o dia 7 de outubro as escolas do estado foram liberadas pelo governo para retomarem as aulas presencialmente, desde que os prefeitos autorizem o retorno das atividades.

Na cidade de São Paulo, a prefeitura autorizou o retorno das aulas para alunos do Ensino Médio a partir desta terça-feira (3). As demais séries seguem com liberação para atividades extracurriculares.

No estado, a partir desta terça, também está permitida a volta das aulas regulares do Ensino Fundamental. No entanto, a decisão de retorno depende de cada prefeito. De acordo com o Subsecretário de Articulação Regional, as cidades de São Carlos, Sorocaba e Piracicaba, por exemplo, retornaram as aulas regulares do Fundamental nesta terça.

Segundo o secretário estadual de Educação, atualmente a rede estadual de ensino tem cerca de mil, das mais de 5 mil unidades, abertas.

“Estamos trabalhando para que esse número aumente gradualmente em todo o estado, a medida em que vamos tendo as autorizações locais, lembrando que o estado já liberou de forma geral, nós estamos fazendo a volta parcial e não obrigatória neste momento, mas com a expectativa alta de um aumento do número de aluno como estamos tendo a cada semana”, disse Rossieli.

Protocolos

Além dos protocolos de distanciamento, uso obrigatório de máscaras, disponibilização de álcool em gel, entradas e saídas escalonadas, as escolas poderão receber presencialmente, por dia, até 35% do total de alunos em todas as séries.

A participação dos alunos nas atividades presenciais não é obrigatória. Os estudantes do grupo de risco pra Covid-19 não podem voltar. Professores e servidores só voltam se assinarem um termo de responsabilidade.

Fonte: G1 São Paulo

© Copyright 1993-2021 Sinterc - Todos os direitos reservados

Sindicato dos Trabalhadores em Empresas de Refeições Coletivas, Cozinhas Industriais, Restaurantes Industriais, Merenda Escolar Terceirizada, Cestas Básicas, e Comissarias da Região Norte e Oeste do Estado de São Paulo.

Sede

Rua Cussy Júnior, 11-63, Centro,Bauru/SP, CEP 17015-022